Arquivo da categoria: Conteúdo

Microbiota da pele: o que é e como mantê-la saudável

A microbiota da pele é a colônia de micro-organismos de diferentes espécies como, por exemplo, bactérias, fungos e vírus que habitam as camadas superiores da pele. 

Para se ter uma ideia da dimensão da microbiota, em um adulto calcula-se que a pele contenha cerca de um bilhão de bactérias por cm2 de pele e, dessa forma, ao juntar-se com os outros tipos de micro-organismos que habitam a pele, o número chega a ser dez vezes superior ao número de células humanas.

microbiota da pele

Apesar de estarem na nossa pele, nós não enxergamos esses micro-organismos a olho nu. Porém, eles fazem parte da nossa proteção natural, mantendo a pele saudável, evitando doenças e controlando o pH, o ressecamento e a sensibilidade. 

É como se tivéssemos um exército de bactérias e outros micro-organismos que estão prontos para lutar contra agentes do meio externo que tentam entrar no corpo através da pele.

Nesse sentido, muitas vezes, alguns problemas de pele que aparecem de forma repentina, como ressecamento, dermatites, acnes e outras doenças, estão intimamente relacionados ao desequilíbrio da microbiota da pele. Isso acontece porque os micro-organismos patogênicos (que provocam algum tipo de doença) estão mais fortes e em maior quantidade do que as bactérias que nos protegem.

Vale lembrar que cada pessoa possui a sua microbiota, ela é única e diferente da do seu vizinho, colega e familiar. Isso porque a presença de micro-organismos na pele está intimamente ligada a hábitos pessoais, idade, atividades físicas, alimentação, ambiente em que vive, entre outros fatores. 

Como manter a microbiota da pele saudável

Primeiramente é não agredindo a pele, pois isso causa o desequilíbrio dos micro-organismos presentes nela. 

micro-organismos na pele

Quando falamos em agredir, não quer dizer apenas causar machucados ou sangramentos. Você pode estar agredindo a pele sem nem perceber. Veja 3 exemplos de hábitos e atividades que prejudicam a pele:

1 – Uso de sabonetes que ressecam a pele: sabe aquela sensação de lavar o rosto e sentir a pele repuxando? Pois bem, isso não é nada legal, pois esse produto está desidratando em excesso e deixando a pele desprotegida.

2 – Banhos muito quentes: a água quente facilita a remoção da gordura da pele. Porém, ela acaba retirando mais do que deveria. A nossa camada mais superficial da pele é formada prioritariamente por componentes graxos, e ao retirá-los, estamos deixando a pele desprotegida dos agentes externos.

3 – Lavar a pele mais de duas vezes ao dia: o excesso de higienização retira em excesso os componentes oleosos que fazem a nossa proteção. Por outro lado, o contrário também é verdadeiro: a falta de higiene causa o acúmulo de resíduos na pele, o que desequilibra a quantidade de bactérias boas e ruins.

Agora existem formas de manter a microbiota e a pele saudável

A principal dica para isso é preservar a proteção da pele e sempre usar produtos que fortaleçam a barreira de proteção, e nunca o contrário. Por exemplo: 

  • Use cosméticos que tenham afinidade com a pele, como os de base vegetal e que possuam componentes já presentes na pele, tais como ômegas e ácido hialurônico
  • Procure utilizar sabonetes que mantenham a hidratação e o pH da pele equilibrado.
  • Mantenha a hidratação da pele, visto que isso favorece a formação de barreira protetora.
  • Evite o uso constante de produtos bactericidas, pois eles não matam só as bactérias ruins como acabam diminuindo a quantidade de bactérias protetoras também. 

Se você quer saber mais sobre a microbiota, veja a aula da nossa técnica falando sobre a barreira de proteção da pele e sobre como mantê-la saudável. 

Web aula com Elizete Garcia – Extratos da Terra

Dicas de produtos que protegem a microbiota

Além de produtos que mantêm a hidratação e fortalecem a barreira de proteção da pele, existem produtos que contêm prebióticos.

Os prebióticos nada mais são do que alimento para as bactérias boas da pele, assim elas ficam mais fortes para combater as bactérias ruins que causam doenças ou irritação.

A Extratos da Terra possui alguns produtos com esses componentes. Confira o que eles fazem:

Sérum Multissolução
sérum multissolução

Trata-se de um produto de tratamento para o controle da acne e do processo inflamatório da pele.

O Sérum Multissolução possui o ingrediente ativo Bioecolia®, que preserva e fortalece a microbiota da pele. Dessa forma, tem-se a diminuição de bactérias na pele que provocam a acne.

Máscara Purificante

Essa Máscara Purificante é indicada para peles oleosas e também para o controle de cravos e da acne.

Ela detoxifica e purifica a pele, além de fortalecer e manter a microbiota cutânea saudável.

Hydra Face

É um hidratante facial de uso diário que deixa a pele bonita e saudável. Esse creme contém um prebiótico chamado inulina, que tem a capacidade de absorver e de reter grandes quantidades de água.

Dessa forma, mantém-se a hidratação e a preservação da microbiota saudável.

Agora nos conte, você tem cuidado da sua microbiota da pele?

Importância da Hidratação na Estética

A hidratação na estética é fundamental para que se possa conseguir bons resultados em qualquer tratamento. Por isso, é muito importante os profissionais da estética estarem atentos ao nível de hidratação cutânea de seus clientes. 

Independentemente do tipo de tratamento, uma pele hidratada é mais flexível, tem mais viço e vai conseguir reagir melhor ao tratamento que será feito, seja com terapias manuais, eletroterapia ou microagulhamento.

Veja algumas razões pelas quais a hidratação na estética é importante:

Limpeza de pele e extração

A hidratação deixa a pele mais emoliente e flexível, facilitando a extração, e diminui a dor do paciente. 

Controle da acne e oleosidade

A hidratação é fundamental nesse procedimento, pois se tem mais equilíbrio hidrolipídico e a barreira de proteção fica mais ativa. Dessa forma, consegue-se controlar melhor a produção de sebo. 

Tratamentos clareadores

Quando a pele está hidratada, a barreira de proteção fica íntegra. Dessa forma, menos agressão chega à pele, prevenindo a piora das manchas. Isso porque a produção de melanina está intimamente ligada a mecanismos de proteção da pele. Quando esses mecanismos são acionados, uma mensagem é enviada ao melanócito para aumentar a produção de melanina, o que pode piorar as manchas já existentes

Uso de eletroterapia

eletroterapia

A hidratação mantém os níveis de água na pele equilibrados.

Os hidratantes biológicos em especial contribuem para o aumento da água na derme e epiderme, e criam um meio onde se tem muitos íons que favorecem a passagem da corrente elétrica. Dessa forma, melhora a resposta dos tratamentos que fazem uso da eletroterapia. 

Tratamentos anti-idade

Conforme envelhecemos, vamos produzindo cada vez menos componentes lipídicos e hídricos, que mantêm a saúde e a barreira de proteção da pele íntegra. Dessa forma, mais água é evaporada para o meio externo, ocorrendo o que chamamos de perda de água transepidermal e o ressecamento da pele.

Além disso, menos ácido hialurônico é produzido na derme com a idade, e essa molécula é um dos componentes mais importantes para manter a pele renovada, hidratada e preenchida. 

Microagulhamento

O microagulhamento estimula a produção de colágeno e elastina, porém, se o tecido não está hidratado, as fibras produzidas serão com qualidade inferior, prejudicando assim o resultado final do tratamento. 

Agora que você já sabe qual a importância da hidratação na estética, vamos entender quais são os mecanismos que promovem a hidratação cutânea?

Mecanismos de hidratação da pele

A pele se divide em duas grandes camadas, a epiderme e a derme. Falamos sobre a estrutura da pele e suas funções no outro post, você pode conferir aqui

Mas o importante é entender como acontece a hidratação da pele. Primeiramente, a água e os nutrientes chegam na derme através dos vasos sanguíneos. 

Depois, a água e os nutrientes são transferidos para a epiderme através da derme papilar e dos canais de aquaporina, que distribuem a água de forma uniforme por todas as camadas da epiderme. 

Já nas camadas mais superficiais da epiderme acontece a produção de componentes graxos e ceramidas que formam a barreira impermeável da pele. Essa barreira tem a importante função de manter o equilíbrio hidrolipídico e, consequentemente, a hidratação cutânea. Ela forma um filme impermeável que age de duas maneiras:

  • Na parte interna, impede a perda de água transepidermal
  • Na parte externa, evita que agentes do meio externo entrem na pele. 
Mecanismo de hidratação da pele
Mecanismo de hidratação da pele

Na derme, também acontece a produção de ácido hialurônico pelos fibroblastos. Essa molécula possui grande afinidade com a água e é capaz de armazená-la e posteriormente hidratar as células. Na imagem abaixo, você consegue ver também as outras funções do ácido hialurônico na pele. 

ácido hialurônico na pele
Ação do ácido hialurônico na pele

Outra forma de hidratar a pele é fazendo uso de produtos tópicos. Nesse sentido, existem diferentes tipos de hidratantes com mecanismos de ação distintos. Para entender como promover a hidratação na estética de forma eficiente é importante entender o que eles fazem. Por isso, vamos mostrar abaixo os diferentes tipos de hidratantes usados na cosmetologia. 

Mecanismos da hidratação na estética 

Podemos dividir os hidratantes usados em produtos tópicos em 4 grupos principais, e cada um deles possui um mecanismo de ação diferente:

1 – Emolientes 

São substâncias que mantêm a suavidade e a maciez da pele, exercendo um efeito protetor contra o ressecamento e a irritação ao formar uma barreira que inibe a perda excessiva de água de dentro para fora. Ou seja, impedem que a água armazenada dentro da pele seja perdida na camada mais externa. 

Além disso, alguns emolientes biomiméticos ao estrato córneo, isto é, que imitam os componentes presentes na pele, como triglicerídeos, ácidos graxos e fosfolipídeos, interagem com essa camada superficial. Como resultado, eles se unem e fixam-se na pele, garantindo a reposição da barreira cutânea. 

Nesse caso, os emolientes biomiméticos têm os seus efeitos hidratantes mantidos por períodos prolongados, uma vez que agora fazem parte da pele e não são retirados durante o banho, como acontece com os emolientes que ficam na superfície da pele. 

2 – Umectantes

Conferem hidratação por meio da adsorção da água do interior da pele ou do ambiente externo para a superfície. É como se as moléculas desses ingredientes fossem ímãs, atraindo moléculas de água e formando um reservatório hídrico da pele. 

Porém, o seu uso prolongado pode causar desidratação, uma vez que as moléculas de água que estão nas camadas um pouco mais profundas são constantemente atraídas para a superfície da pele. 

Além disso, não apresentam eficácia significativa em ambientes muito secos e em peles já desidratadas, pois não há água disponível para ser atraída para a camada superficial. 

3 – Oclusivos

Os agentes puramente oclusivos formam um filme na superfície cutânea, evitando a perda de água do interior da pele para o ambiente. Um exemplo de agente oclusivo é o óleo mineral.

Apesar de eficazes, esses agentes oclusivos atuam temporariamente (enquanto estão na superfície da pele) e conferem sensoriais pesados e até prover uma falsa hidratação, porque na verdade não repõem a hidratação natural da pele, só impedem a perda de água para o meio externo. 

Esses componentes também podem promover a oclusão dos óstios da pele e estimular o desenvolvimento de comedões. 

4 – Biológicos

São substâncias que atuam estimulando a produção de hidratantes pela própria pele, o que também é conhecido como uma hidratação ativa. Esses componentes estimulam a produção de lipídios e de proteínas presentes nas células da pele, além dos fatores de hidratação natural (NMFs), aquaporinas e ácido hialurônico. Esses hidratantes têm efeito prolongado, pois a hidratação natural da pele é reconstruída. 

Portanto, a melhor forma de se obter uma hidratação eficiente da pele é associar os hidratantes biológicos, que estimulam os processos naturais da pele, conseguindo uma hidratação prolongada, com os hidratantes de ação imediata, como no caso dos emolientes, umectantes ou agentes oclusivos.

Se você gostou do conteúdo, recomende a seus colegas! Eles provavelmente irão gostar também! 

4 benefícios do uso dos nanoativos em cosméticos

A tecnologia dos nanoativos ou ativos nanoencapsulados está presente nos dermocosméticos mais atuais e modernos. 

O tamanho muito pequeno dos nanoativos é um dos grandes diferenciais desses produtos, mas existem outros. Primeiramente, vamos fazer uma comparação desses ativos com os ativos convencionais sem essa tecnologia. Para isso, veja a foto abaixo que compara esse dois tipos de ingredientes: 

comparação de nanoativos e ativos convencionais

Pela imagem, dá para perceber claramente que os ativos nanoencapsulados conseguem agir até nas camadas mais profundas, enquanto os ativos convencionais ficam prioritariamente na camada mais superficial da pele. Outra vantagem ilustrada na imagem é a proteção do ativo dentro da nanocápsula, e esse é o primeiro benefício que vamos explicar agora. 

1 – Proteção dos princípios ativos 

Acima de tudo, a nanocápsula protege a substância que vai agir na pele do meio externo, como luz e oxigênio, e de interações com outros componentes que compõem a fórmula do produto. Isso dá mais estabilidade e garantia de que o ativo não perderá a sua eficácia antes de ser aplicado na pele. 

Nesse sentido, um exemplo da importância dessa proteção é a vitamina C nanoencapsulada. Afinal a vitamina C é um dos ingredientes mais instáveis nas formulações. Em contato com o oxigênio, ela perde a sua ação antioxidante de forma bem fácil, mudando inclusive a coloração, ficando amarelada.

Essa coloração é um indício de que a parte da vitamina C já perdeu a sua ação. Mas quando ela é encapsulada, seus benefícios são resguardados, fazendo que tenha total aproveitamento do seu efeito antioxidante e clareador da pele. 

2 – Os nanoativos direcionam para local que deve agir 

permeação dos nanoativos

A cápsula do ativo nanoencapsulado se desmancha à medida que vai sendo absorvida. Isso é possível porque a nossa pele tem diferentes características e substâncias nas sua diversas camadas.

Dessa forma, quando um ativo precisa agir, por exemplo, nas camadas mais profundas da pele, essas cápsulas terão substâncias existentes nessas camadas.

capsula nano

É possível inclusive que a cápsula do ativo tenha diferentes camadas para que ela se desmanche à medida que vai permeando a pele.

Para ilustrar como isso acontece, imagine você descascando uma cebola. Cada camada da cebola é como se fosse uma camada da nanocápsula, e quando você tirar a última camada, você chegará ao ingrediente ativo.

Outro fator interessante é que essas camadas das nanocápsulas são geralmente feitas de substância hidratantes, então na verdade tudo é aproveitado pela pele. 

3 – Liberação prolongada dos ativos

O terceiro benefício listado aqui é a liberação prolongada de ativos na pele. À medida que a nanocápsula vai se desmanchando o ativo que está dentro é liberado para a pele gradualmente, ou seja, os ativos são liberados aos poucos, agindo na pele por várias horas.

Por isso, é comum ver em produtos com nanoativos a ação de até 12 horas. A pele na verdade está recebendo pequenas doses de tempo em tempo, promovendo essa ação por longos períodos.

Em ativos convencionais, não é possível proporcionar essa ação prolongada. Isso porque o ativo é entregue na pele todo de uma vez, e nem sempre a pele absorve a quantidade total desses ativos ao mesmo tempo, perdendo parte da eficácia do produto. 

Sendo assim, ao avaliar um produto, não leve em consideração apenas a porcentagem dele. Além disso, tente observar se é um ativo convencional ou com nanotecnologia, assim como o tempo de ação na pele. 

4 – Produtos concentrados e resultados mais rápidos. 

Com os ativos nanoencapsulados, é possível ter produtos concentrados. Isso acontece porque as cápsulas têm facilidade em permear a pele, e dessa forma não precisamos de vários componentes nas formulações para aumentar a permeação, como acontece com os cremes. 

Nos cremes, 70% a 90% dos componentes são substâncias para formá-los, o que vai auxiliar na permeação dos ativos. Mas essas substâncias  não agem necessariamente no problema. Já séruns concentrados com nanoativos podem chegar a 100% de ativos, sem adição de água ou de outros componentes. 

Isso traz resultados muito mais rápidos, como o que acontece com o Nano Shower, que possui 100% de ativos nanoencapsulados. Dos voluntários que usaram o produto, 60% perceberam a melhora da celulite em apenas 30 dias. 

Da mesma forma, o Sérum Concentrado, que teve 75% dos participantes felizes com a redução de medidas com apenas 15 dias de uso. Já 90% comemoram a redução da gordura localizada após 28 dias. 

Outro exemplo de resultado rápido é o Serum Secativo Pontual. Nos testes de eficácia o sérum mostrou que 90% das pessoas perceberam inflamação reduzida e menos inchaço após 24 horas de uso. 

Além dos 4 benefícios do uso da nanotecnologia mencionados, podemos citar mais alguns:

  • A sustentabilidade – são ativos com o conceito da tecnologia verde.
  • A menor geração de resíduos – precisamos de embalagens menores para armazenar e comercializar os produtos.
  • Otimização de espaços – produtos concentrados têm embalagens menores que ocupam menos espaço.
  • Menos geração de poluentes – menos espaço de armazenamento otimiza o transporte, diminuindo a emissão de poluentes no ar. Sem contar que produtos concentrados utilizam menos água. 

A nanotecnologia não é a tecnologia do futuro, já faz parte do presente. 

E você? Sabia de todos esses benefícios dos nanoativos?

Diferenças entre creme de base vegetal e creme de base mineral

O creme de base vegetal é hoje uma das bases cosméticas mais compatíveis com a pele, ou seja, consegue ser mais eficaz quando comparado aos cremes que possuem óleo mineral na composição.

Vamos entender por que essas bases são melhores e trazem inúmeros benefícios para a pele. Mas primeiro vamos saber ao certo o que é uma base cosmética. 

Bases cosméticas são, por exemplo, os séruns, gel, gel-creme, loção ou creme. Esse tipo de base se refere à forma como o cosmético é feito.

É na base que são introduzidos os ingredientes ativos que fazem com que o produto tenha uma ação específica em disfunções como celulite, estrias, rugas e linhas de expressão, entre outros. 

Como um creme age na pele

Para um produto ter efeito na pele, ele precisa primeiro conseguir penetrar em suas camadas. Contudo, a dificuldade de um produto permear a pele é grande, isso porque ela tem a função de bloqueio para que substâncias do ambiente externo não consigam atravessá-la, evitando doenças ou outros problemas. 

Desse modo, a melhor forma de fazer com que um produto permeie a pele é buscando opções que sejam compatíveis com ela. Isso quer dizer que é preciso escolher produtos que façam a pele entender que eles já são substâncias naturais dela, e não elementos intrusos. 

As bases vegetais fazem exatamente isso. Elas possuem componentes idênticos aos que temos naturalmente em nossa pele. Então, quando aplicamos um creme de base vegetal, a pele entende como se fosse uma substância natural dela e não bloqueia a entrada desse produto. 

Dessa forma, ao permear a pele, esses componentes se juntam a ela e não são mais removidos quando lavamos, por exemplo. Isso faz com que essas bases continuem agindo na pele, hidratando-a por longos períodos.

ação do creme de mãos
Imagem ilustrativa de creme de base vegetal na pele, reconstruindo a barreira de proteção.


Além disso, depois de permear a pele, os ingredientes ativos que são carregados pela base vegetal agirão em lugares específicos. Dependendo do tipo desses ativo, eles vão agir nas camadas mais superficiais ou profundas, como no caso de ativos nanoencapsulados.

Qual a diferença entre o creme de base vegetal e o creme com óleo mineral?

Ao contrário do creme de base vegetal, que possui componentes semelhantes ao já existentes naturalmente na pele, o creme que possui óleo mineral aciona o bloqueio natural de proteção, pois o óleo mineral é uma substância estranha e intrusa ao corpo. 

Com isso, o óleo mineral formará uma película oclusiva sobre a pele, dificultando a perda de água que está dentro da pele para o exterior, o que evita a desidratação.

Após o uso do creme de mãos
Imagem ilustrativa mostrando a formação de película e barreira oclusiva

Essa película oclusiva cria uma falsa sensação de hidratação e também constitui um efeito passageiro, isso porque o óleo mineral impede que a água que está na pele evapore, porém não restaura a hidratação natural da pele nem a barreira de proteção. Assim, quando a pele é higienizada, essa película formada pelo óleo mineral é removida, e a pele volta a ficar desprotegida. 

Por outro lado, os cremes de base vegetal hidratam a pele de verdade, já que seus componentes são os já existentes na pele, recuperando a hidratação natural e restaurando a barreira de proteção mesmo depois da lavagem. 

Outra diferença é que, por constituir uma camada oclusiva, o óleo mineral também pode bloquear os poros da pele e dificultar a respiração. Esse fato, pode ocasionar problemas como cravos e espinhas. Por isso, é importante evitar óleo mineral na composição dos produtos, principalmente os faciais.

Qual escolher então?

Diante dessas diferenças, fica claro que os cremes de base vegetal são produtos mais modernos que trazem muitos benefícios à pele. Porém, esses produtos são caros, pois os componentes têm tecnologia mais avançada. Esse é o principal motivo de ainda encontrarmos no mercado muitos produtos com óleo mineral em sua composição. 

O importante é sempre avaliar qual o objetivo com o uso de um determinado produto. Para conseguir esse objetivo, é necessário um produto mais compatível com a pele ou um produto com óleo mineral trará o resultado que se espera?

Por exemplo, se você não deseja uma permeação muito profunda dos ativos e se a pele não precisa de uma hidratação extra, os produtos com óleo mineral podem valer o custo/ benefício. Por outro lado, se você precisa recompor a barreira de proteção da pele para restaurar a hidratação e ainda se deseja uma permeação mais profunda dos ativos, a base vegetal é a ideal. 

Cremes vegetais da Extratos da Terra

Em 2013, a Extratos da Terra lançou uma linha chamada Pro Vegetal. Aqueles novos produtos não se encaixavam nos conceitos de produtos convencionais, naturais ou orgânicos, e por isso criamos o conceito de “cosmético vegetal”.

Não se tratava de produtos convencionais porque não eram produtos comuns. Igualmente não eram produtos naturais, pois suas matérias-primas não passavam somente por processos físicos ou químicos simples, mas também por processos tecnológicos para extrair o melhor dos compostos vegetais. Do mesmo modo,  não eram produtos orgânicos, visto que as suas matérias-primas não têm certificação de orgânicos.

Esses produtos eram muito mais do que isso, oferecendo benefícios como:

  • Produtos com base tecnológica vegetal
  • Bases biocompatíveis com a pele
  • Veganos: não possuem ingredientes de origem animal e não são testados em animais (aliás, nenhum produto da Extratos da Terra é testado em animais)
  • 95% dos ingredientes são provenientes de fonte vegetal
  • Ingredientes certificados com o selo Ecocert
  • Livres de ingredientes derivados de petróleo, como óleo mineral, silicone e propilenoglicol
  • Com conservante eficaz e seguro, livre de parabenos 
  • Livres de óleo mineral, contêm somente óleos vegetais
  • Com componentes biodegradáveis que não agridem o meio ambiente
  • Livres de esfoliantes de polietileno
  • Livres de ingredientes que podem causar risco de sensibilidade à pele, como corantes

A partir de então, estabelecemos o termo “base vegetal” e, sempre que possível, passamos a desenvolver os produtos seguindo esse conceito. Até hoje, somos a única empresa com uma linha inteiramente vegetal de produtos profissionais.

Produtos Extratos da Terra com base vegetal
ícone produto de base vegetal

Vários produtos da Extratos da Terra possuem base vegetal, e você pode identificá-los no nosso site pelo selo vegetal, que estará nas imagens dos produtos (imagem ao lado). 

As embalagens dos produtos estão passando por atualizações, e o selo de base vegetal com o tempo também estará impresso nas embalagens, assim fica mais fácil identificar esses produtos. Esse processo ainda vai demorar um pouquinho para estar completo, mas ele já está acontecendo 😉

ícone livre de óleo mineral

Também possuímos produtos que não se enquadram na categoria de base vegetal, mas que não têm óleo mineral na composição. Esses produtos livres de óleo mineral podem ser identificados com o símbolo de livre de óleo mineral, como o da imagem ao lado.

Você já sabia da diferença entre cremes de base vegetal e base mineral?

Ácido hialurônico: o que é e por que usar

O ácido hialurônico tem se tornando cada vez mais conhecido e comentado quando se fala em tratamentos de beleza. Está presente em cosméticos anti-idade e hidratantes, sendo utilizado também por médicos para preenchimento. 

Mas você sabe exatamente o que é o ácido hialurônico, por que se usa esse ativo e o que ele faz na pele? Neste post, vamos explicar tudinho.

O que é e para que serve o ácido hialurônico

O ácido hialurônico é uma substância que já está presente na nossa pele naturalmente e que participa de vários processos importantes: 

  • Hidrata
  • Estimula as células de defesa
  • Acelera a renovação celular
  • Estimula a produção de fibras de colágeno e elastina
  • Auxilia no preenchimento dos espaços entre uma célula e outra

Por isso, o ácido hialurônico ficou muito famoso nos cosméticos, pois dá volume à pele e diminui os sinais da idade como linhas de expressão e rugas.

Ele está presente de forma natural na epiderme, mas principalmente na derme. Se você quiser entender o que são essas camadas e suas funções, veja como a pele funciona neste link

O ácido hialurônico é importante nessas duas camadas porque possui uma estrutura capaz de armazenar água em forma gel, inchando e aumentando o seu volume. Por isso, é um dos principais componentes de preenchimento da derme, dando volume à pele e auxiliando na sustentação e na elasticidade. 

Na epiderme, camada mais superficial, o ácido hialurônico encontra-se entre uma célula e outra, promovendo também o preenchimento e a hidratação. 

Veja na imagem onde o ácido hialurônico encontra-se na pele. 

Ácido hialurônico na pele
Ácido hialurônico na pele

Se a nossa pele já produz, por que usar produtos que contenham esse ativo?

O ácido hialurônico é produzido na pele por uma célula chamada fibroblasto, a mesma que produz colágeno e elastina. 

Com o processo natural de envelhecimento, os fibroblastos vão ficando cansados e começam a produzir cada vez menos ácido hialurônico (que hidrata e dá volume), assim como o colágeno e a elastina (que dão sustentação à pele). Por isso, quando envelhecemos as rugas e a flacidez vão aparecendo. 

Para tentar reverter esse processo ou até evitar que as rugas fiquem cada vez mais profundas, o ácido hialurônico começou a ser usado em produtos que  passamos na pele. Dessa forma, repomos esse ácido hialurônico que a pele não produz mais em quantidade suficiente. 

Ao repor o ácido hialurônico (AH) com dermocosméticos, voltamos, na verdade, a dar volume à pele embaixo das rugas e linhas de expressão. Assim, esses sinais ficam menos evidentes, pois o espaço foi preenchido por essa substância. Você pode ver como isso acontece nas imagens abaixo*:
*Imagem retirada de folhetos de informe de ativos de propriedade da Basf

Rugas aparentes com ácido hialurônico sendo reposto.
Rugas aparentes com AH sendo reposto.
Imagem de preenchimento da rugas pelo Ácido hialurônico.
Imagem de preenchimento da ruga pelo AH.

Por que devo usar o ácido hialurônico

Em primeiro lugar, porque é uma substância que já faz parte da nossa pele. Ou seja, é algo de que a nossa pele precisa e que faz bem a ela. 

Em segundo lugar, porque é uma substância que participa de diversas reações que acontecem na pele como, por exemplo:

  • Fornece a hidratação necessária para manter a pele jovem e protegida dos agentes externos. 
  • Estimula o processo de renovação da pele com o “nascimento” de novas células saudáveis.
  • Auxilia na sustentação da pele e por isso evita o aparecimento de rugas.
  • Preenche e dá volume, assim a pele não fica fragilizada e fina.
  • Auxilia na regeneração e na cicatrização, participando do processo de defesa da pele, pois quando se tem um invasor ou uma ameaça à saúde da pele, AH é capaz de acionar as células de defesa para combater aquele perigo no local. 
  • Estimula a produção de colágeno e elastina por estimular o fibroblasto, mesma célula que produz o ácido hialurônico.

Quais as diferenças entre os tipos de ácido hialurônico dos cosméticos

Bom, esse assunto é um pouco mais complexo, mas vamos tentar esclarecer de uma forma simples. 

Os ácidos hialurônicos (AH) são basicamente de alto, médio ou baixo peso molecular. Ou seja, essa denominação representa o tamanho da molécula. Conforme esse tamanho, as funções dessa substância são diferentes.

O fato é que quanto menor o tamanho da molécula, maior a penetração na pele. Veja na imagem os diferentes tipos de AH e onde pode agir na pele.

Diferentes tipos de ácido hialurônico e onde agem na pele
Diferentes tipos de AH e onde agem na pele

Assim, o AH de alto peso molecular vai agir mais na superfície da pele, promovendo a proteção e a hidratação das camadas superficiais.

À medida que essa molécula é menor, como o AH de baixo peso molecular, consegue atravessar a nossa barreira de proteção natural. Dessa forma, o AH age como um preenchedor ou acelerador do processo de renovação e produção de colágeno e elastina. 

Outra diferenciação desses ingredientes ativos nos cosméticos é a tecnologia. O AH pode estar ligado a outras moléculas que são reconhecidas pela pele, como é o caso do silício, e assim facilita a entrada desse ingrediente nas camadas mais profundas. Outra forma interessante e que possibilita preenchimento e volume é o AH nanoencapsulado, quando o ativo é liberado no local em que se deseja o preenchimento. 

Quando usar

A produção do ácido hialurônico natural começa a diminuir entre os 18 e 25 anos. Portanto, a partir dessa idade já é interessante usar produtos que façam a reposição desse ativo na pele diariamente.

Ah, esse ativo causa algumas dúvidas, como, por exemplo, se pode usa-lo no verão, durante o dia ou ainda se mancha a pele. Mas podem ficar tranquilas, porque apesar de o nome conter o termo “ácido”, o ativo não tem nada a ver com aqueles ácidos que mancham ou descamam a pele. Assim, é possível usa-lo todos os dias, durante o ano inteiro, pela manhã e à noite. 

Mas claro que durante o dia é necessário usar protetor solar, não pelo ácido hialurônico, mas sim pelos malefícios das radiações solares na pele.

Quais produtos possuem ácido hialurônico

A Extratos da Terra possui alguns produtos para uso profissional e para uso em casa com ácido hialurônico. Vamos falar hoje dos produtos para uso em casa. Veja algumas opções:

Creme anti-idade Prevent: creme hidratante que previne os primeiros sinais da idade. Ele possui o ácido hialurônico para prevenção, repondo o ativo quando a nossa pele começa a diminuir sua produção natural, entre os 18 e 25 anos.

Creme anti-idade Reverse: creme hidratante concentrado para peles mais maduras, cujos sinais da idade já são mais aparentes, com rugas e flacidez bem visíveis. 

Sérum Preenchedor e Firmador: indicado para uso pontual onde se deseja dar volume à pele, como, por exemplo, nas rugas mais profundas. O ácido hialurônico presente neste produto vai fazer o preenchimento abaixo da ruga, diminuindo a depressão da pele nesse local e deixando-a mais lisa e preenchida.

Máscara Rejuvenescedora: é uma máscara potencializadora que entrega uma dose extra de ácido hialurônico para a sua pele. Ela é indicada para uso duas vezes na semana. 

Gostou deste conteúdo? Agora você consegue entender o que é ácido hialurônico? Deixe seu comentário aqui 😉

O que é rosácea e como cuidar da pele

A rosácea é uma doença vascular inflamatória que pode se tornar crônica. Ela afeta principalmente a região central da face, caracterizada por uma pele visivelmente mais sensível, geralmente mais seca e que fica vermelha com facilidade. Quadros mais sérios podem apresentar pontos de inflamação e inchaço na pele. 

Neste conteúdo, primeiramente, vamos mostrar a diferença entre a rosácea e a acne, quem tem mais probabilidade de desenvolver a doença, o que provoca ou piora o quadro. E por fim, quais produtos para os cuidados diários podem ser usados por peles com rosácea sem causar desconforto.

Rosácea ou acne?

Quem se lembra das manchetes em torno das marcas vermelhas e inflamadas do goleiro Alisson na copa de 2018?

Foto: Leonhard Foeger/Reuters – globoesporte.globo.com

Na época, muito se falou na internet que o goleiro sofria  com acne. Mas, vários dermatologistas entrevistados já apontavam como um quadro de rosácea. Isso porque, Alisson tinha 25 anos, idade em que é comum o aparecimento da rosácea. Ao passo que é comum a acne acometer os homens na fase da adolescência e, em casos raros, após os 20 anos.

Mas então qual a diferença entre a acne e a rosácea?

Essas duas disfunções têm origem em fatores fisiológicos bem diferentes na pele. 

rosácea no rosto

A rosácea acomete os vasos superficiais da pele, que provocam a vermelhidão pelo aumento do fluxo sanguíneo.

Essa característica pode ser passageira, diminuindo a vermelhidão em poucos minutos, seguida por uma melhora ou piora do quadro. Mas também pode se tornar crônica, permanecendo a vermelhidão por longos períodos.

Contudo, a piora do quadro pode levar ao aparecimento de pústulas de inflamação e edema. Esses dois fatores acabam confundidos com a acne. Mas, quem sofre de sensibilidade normalmente já tem a pele mais sensível e mais ressecada nos locais acometidos pela rosácea. 

acne

Por outro lado, a acne acomete as glândulas sebáceas, resultando por exemplo, no aumento da produção de sebo por essas glândulas, e como consequência, aparecem as espinhas inflamadas e os cravos, e a pele nesse caso fica mais oleosa.

Quem pode apresentar rosácea na pele

Primeiramente, qualquer pessoa após os 25 anos de idade, mais particularmente as mulheres, e qualquer pessoa com pele clara podem ser afetadas por manchas vermelhas no rosto, sejam elas passageiras ou persistentes. Já a Sociedade Brasileira de Dermatologia aponta que a rosácea é mais frequente em adultos de 30 a 50 anos, sendo mais comum em mulheres. Contudo, quando a rosácea aparece nos homens, normalmente o quadro deles é mais grave. 

Embora essa vermelhidão nos casos menos graves não seja realmente perigosa para a saúde, é desconfortável e, às vezes, constrangedora, pois o impacto na vida social de quem tem rosácea pode ser bastante significativo. A rosácea em estágio inicial é caracterizada pela dilatação de vasos e, por consequência, pelo aumento do fluxo sanguíneo local. Após um período curto, os vasos voltam ao seu estado normal, e a vermelhidão diminui.

Por outro lado, em estágios mais avançados, as estruturas dos vasos e de outros componentes da pele ficam comprometidas, e nos estados crônicos os vasos não voltam mais ao seu estado normal. Por isso, a vermelhidão não melhora, e aparecem outras alterações, como circulação comprometida, presença de pústulas e edema no local. 

Assista ao vídeo da Dra. Cintia, da Sociedade Brasileira de Dermatologia, e veja o que a especialista fala sobre a rosácea. 

O que provoca ou piora o quadro

Embora as causas da rosácea não tenham sido claramente identificadas, podemos, no entanto, apontar duas principais manifestações, dependendo do estágio: 

1 – Comprometimento da rede de vasos sanguíneos

2 – Hiper-reatividade cutânea, ou seja, a pele fica reativa a diversos componentes que entram em contato com ela e causam desconforto. 

Além disso, o agravamento do quadro depende de pessoa para pessoa e geralmente é imprevisível e intenso. por exemplo, uma pessoa com apenas uma vermelhidão leve pode não ver o progresso da rosácea, que pode ser algo leve e passageiro. Por outro lado, uma pessoa pode ter vermelhidão persistente e vasos dilatados logo no início das manifestações da rosácea. 

Agora, veja alguns fatores que podem provocar a vermelhidão da pele e o aumento da sensibilidade cutânea: 

estímulos da rosácea
  • Variações repentinas e significativas de temperatura
  • Temperaturas muito altas (aproximadamente 40 °C) ou muito baixas (5 °C)
  • Consumo de alimentos picantes como por exemplo, a pimenta ou mostarda
  • Consumo de álcool ou café
  • Exposição a sol ou poluição
  • Esforço físico prolongado
  • Emoções fortes, como estresse ou constrangimento 
  • Uso de substâncias na pele, como cânfora e derivados da pimenta 
  • Outras substâncias irritantes para a pele

Os fatores citados anteriormente ativam receptores na pele que acionam mediadores inflamatórios. Esses, por sua vez, provocam a vasodilatação dos vasos sanguíneos superficiais da pele e, como consequência, tem-se o aspecto vermelho e o desconforto na pele, como ardência ou coceira. 

Devido a inúmeros fatores envolvidos, o diagnóstico da rosácea deve ser feito por um dermatologista. A rosácea não tem cura, mas é possível controlar o problema com medicamentos e produtos adequados. Por isso, a importância de uma avaliação com um profissional especializado. 

Produtos para uso diário

Como mencionado anteriormente, o tratamento da rosácea deve ser feito com um especialista. Mas, os cuidados com a pele, quando a rosácea não está ativa, devem contar com produtos específicos para peles sensíveis ou que não causam irritação.

Selecionamos alguns produtos para os cuidados diários dessas peles. São produtos que não tratam especificamente a rosácea, mas podem ser utilizados por peles com essa característica sem causar desconforto.

Confira abaixo as sugestões:

1 – Para limpar a pele

Primeiramente, o produto mais indicado para limpara as peles sensíveis é a Água Micelar. Ela tem uma composição mais suave do que a de um sabonete e também não necessita de enxágue. Desta forma, poupa o contato da pele com a água da torneira, que muitas vezes não é de qualidade e também pode irritar a pele.

A Água Micelar é um demaquilante e também um produto que limpa a pele em todas as ocasiões. Ao optar por ela, não é preciso usar tônico facial, pois a Água Micelar tem o pH igual ao da pele. 

2 – Para acalmar e repor minerais

Agora, para hidratar, repor vitaminas e minerais e acalmar a pele, o produto indicado é a Água Dermo Revigorante. Ela também é um ótimo pós-sol e em 30 minutos acalma a vermelhidão provocada pelo sol. 

É um produto para ter sempre com você e usar a qualquer hora do dia, quando a pele tem necessidade de hidratação ou está irritada. O ideal é usá-la logo após a limpeza da pele. 

3 – Para hidratar

Para hidratar a pele e prevenir o envelhecimento precoce, você pode usar o Prevent Creme Anti-idade pela manhã e à noite.

Para peles mais maduras e ressecadas, a recomendação é o Creme Anti-idade Reverse. Ele também pode usar pela manhã e à noite.

Ambos os cremes têm formulações mais suaves e com ácido hialurônico, sendo altamente hidratantes.

4 – Para reduzir rugas

Para reduzir as rugas mais acentuadas, você pode utilizar o Preenchedor e Firmador Facial, aplicando de forma bem pontual somente no local da ruga. Ele fará o preenchimento das rugas, uniformizando o relevo da pele. 

Para usá-lo, aplique pela manhã e à noite antes do hidratante facial. 

5 – Para proteger da luz solar

Por fim, para as peles sensíveis, o mais indicado é o Pó Multiprotetor FPS 50. Disponível nas cores translúcida, médio adaptável e escuro café. Esse pó contém apenas filtros físicos, que são os menos sensibilizantes. 

Use-o diariamente pela manhã e faça a reposição a cada duas horas. Lembre-se de aplicar uniformemente o pó sobre a pele para a proteção adequada do sol. 

Se você ficou com alguma dúvida, deixe aqui nos comentários 🙂

Cuidados com a pele no verão: as dúvidas mais frequentes sobre hidratação

Entre os cuidados com a pele no verão estão principalmente se proteger e se hidratar. Já falamos de nove dicas de como preparar a pele para o verão, mas ainda surgem muitas dúvidas sobre hidratação. Por isso, hoje vamos responder a algumas das dúvidas mais frequentes dos nossos clientes.

Essas dúvidas podem ser as mesmas que você tem, então fique atenta!

Como cuidar da pele do rosto no verão?

Essa é uma das dúvidas mais frequentes. É fato que precisamos cuidar da pele em todas as estações do ano, mas no inverno e no verão alguns cuidados especiais são importantes devido à mudança de temperatura. Falamos sobre essas diferenças neste post.

Mas, para resumir, algumas dicas de cuidados com a pele do rosto no verão são:

  • Use maquiagem leve, pois no verão a pele fica mais oleosa do que o normal, e bases pesadas podem piorar esse aspecto.
  • Procure lavar o rosto duas vezes ao dia com produtos específicos para essa região  e para o seu tipo de pele. 
  • Aplique o protetor solar e reaplique conforme a indicação da embalagem. Dê preferência a produtos que protegem dos raios UVA, UVB e da poluição.
  • Procure tomar banhos gelados, ou pelo menos mornos, e logo após aplique um bom creme hidratante e de preferência que tenha ação antioxidante. Essas substâncias ajudam a evitar os danos dos raios solares na pele, como, por exemplo, o envelhecimento.
  • Evite a exposição solar nos horários mais intensos dos raios UV, entre as 10h e as 16h.
  • Beba bastante água diariamente.

Como hidratar a pele no calor?

Muitas vezes, é difícil usar hidratantes no calor, não é mesmo? Isso porque os cremes geralmente ficam melosos, e ninguém gosta dessa sensação. Mas existem opções de hidratação que não deixam a pele grudenta no calor. 

  • O que é bom para hidratar a pele do corpo no verão?

Para hidratar a pele do corpo e evitar o desconforto de sensação pegajosa, a dica é usar cremes com base vegetal, pois esses cremes não são gordurosos e absorvem rapidamente na pele. Assim, você terá a pele profundamente hidratada.

hidratante corporal com manteiga de karité

Saiba mais sobre esse tipo de creme no post: Creme hidratante com manteiga de karité.

  • O que é bom para hidratar a pele do rosto no verão?
hidratação

Já no rosto, a regra é procurar produtos hidratantes para o seu tipo de pele. Por exemplo, você pode usar um hidratante que é também clareador, rejuvenescedor ou até mesmo um hidratante que controle o excesso de oleosidade.

Nesse caso, siga as necessidades da sua pele e não se esqueça de aplicar diariamente o produto. 

Posso usar o mesmo hidratante do corpo no rosto?

Não é o mais recomendado, pois cada região do nosso corpo tem características distintas, e os produtos são desenvolvidos levando em consideração essas diferenças. Por exemplo, o pH é diferente, a espessura da pele do corpo e do rosto é distinta, as necessidades de hidratação são diferentes e a umidade da pele também. 

Por isso, você pode até pensar que está economizando ao aplicar um produto do corpo no rosto, porém com o tempo a sua pele vai reclamar, e poderão aparecer outros problemas, tais como excesso de oleosidade, acnes e até manchas. 

Como refrescar a pele no verão?

Nada melhor do que estar em uma temperatura elevada e receber uma brisa refrescante. Consigo até me imaginar na beira da praia e sentir as gotículas tocando a pele! Você consegue imaginar isso também?

Deixando a imaginação de lado e partindo para a prática, isso é bem possível e prático de se fazer. Basta ter consigo uma água dermatológica ou uma água termal e aplicar durante o dia, seja na praia, na beira da piscina, no parque ou depois de uma atividade física. Além de provocar a sensação de refrescância, esses produtos repõem os nutrientes na nossa pele. 

Hidratação e refrescância para a pele no verão

Uma dica maravilhosa é a Água Dermo Revigorante. Ela pode ser inclusive no pós-sol, acalmando a pele após 15 minutos. Mas lembre-se de usar o protetor solar para evitar queimaduras solares 😉

A dica mais valiosa deste produto no verão é que você pode deixá-lo na geladeira ou na bolsa térmica. Assim, você terá uma sensação maravilhosa de refrescância ao aplicar no rosto, no corpo e até no cabelo.

Para finalizar, se você tem alguma dúvida que não apareceu aqui, deixe a sua pergunta que logo vamos responder 😉

Radicais livres: o que são, como se formam e como se defender deles

Os radicais livres são produzidos naturalmente pelo nosso organismo como resultado de reações metabólicas essenciais para a vida. Por isso, podemos dizer que não conseguimos viver sem eles!

Portanto, a produção de radicais livres é um processo natural, mas que em excesso começa a trazer danos às células e à saúde. Neste conteúdo, você vai entender o que são os radicais livres, por que se fala tanto neles e por que é tão importante se proteger dos efeitos negativos que produzem.

O que são radicais livres

Os radicais livres são moléculas que possuem um número ímpar de elétrons, o que os torna instáveis.

Por ter elétrons em número ímpar, essas moléculas acabam sempre tendo que doar ou roubar elétrons de outras moléculas.

Vamos entender por meio de ilustrações como os radicais livres atacam as células do corpo. 

radical livre

Essa molécula em vermelho ao lado é um radical livre. Perceba que no último círculo (de fora para dentro), ele possui 7 elétrons e que um está faltando.

Então ele começa a sua jornada para encontrar “alguém” que possa doar esse outro elétron faltante. Se esse radical livre não encontrar o seu par perfeito para dividir a energia com ele, vai roubar de alguma molécula ou célula à sua volta. 

radical livre e antioxidante

O nosso corpo sempre busca o equilíbrio, e por isso, assim como a geração dos radicais livres, existem os antioxidantes, que doam um elétron ao radical livre, e os dois ficam superfelizes.

Porém, quando ocorre um desequilíbrio entre a produção de radical livre e o número de antioxidante disponível, é que começa a surgir os problemas.

O radical livre se une às células sadias que estão ao seu redor e rouba a energia dessas células, principalmente do DNA celular, resultando no envelhecimento e até na morte dessa célula. Esse processo é chamado de estresse oxidativo. 

ataque dos radicais livres as células
Radical livre atacando as células saudáveis do corpo

O estresse oxidativo leva ao envelhecimento precoce e também faz com que as células não desempenhem mais as suas funções adequadamente. Como resultado, pode ocorrer diversas doenças, como, por exemplo, o câncer.

Como são produzidos

Existem dois tipos de radicais livres:

1- Os endógenos: produzidos pelo nosso organismo naturalmente

2- Os exógenos, produzidos por estímulos externos 

Os radicais livres endógenos se formam naturalmente pelo organismo e são derivados de reações metabólicas. Alguns exemplos dessas reações são a geração de energia, reprodução, respiração, defesa contra infecções e muitas outras reações essenciais para nos mantermos vivos. Eles estão presentes nas células de todo o corpo. 

Já os exógenos são produzidos devido a estímulos externos, tais como o excesso de exposição ao sol, alimentos industrializados e gordurosos, fumo, consumo de álcool e poluição. O excesso de atividade física também aumenta a produção de radical livre, pois o corpo precisa consumir mais oxigênio e, como vimos na respiração, geramos radicais livres. 

Portanto, tudo é uma questão de equilíbrio. Sempre teremos a formação de radical livre em nosso organismo. Mas, precisamos do equilíbrio entre a formação deles e a disponibilidade de antioxidantes para neutralizar a ação destruidora dessas moléculas nas células do corpo. 

Como se defender dos radicais livres

A forma mais adequada é evitar a sua formação em excesso, e para isso, algumas dicas são valiosas:

  • Tenha uma alimentação saudável e rica em vitaminas
  • Evite fumar e consumir álcool
  • Evite lugares com poluição do ar ou use cosméticos que protejam a pele da poluição
  • Não se exponha ao sol em excesso 

Quanto à alimentação, procure ingerir alimentos ricos em vitaminas A, C e E, carotenoides, cobre, zinco, magnésio, selênio e compostos com o resveratrol e catequinas.

Por outro lado, podemos equilibrar os danos dos radicais livres na pele reforçando o potencial antioxidante por meio de cosméticos que possuem ação antioxidante. Assim, mais dessas moléculas estarão disponíveis, e as células sadias não serão alvo dos radicais livres. 

Quando usamos cosméticos com ação antioxidante, significa que estamos aumentando o número de moléculas antioxidantes diretamente na pele. Essas substâncias em pequenas concentrações são capazes de neutralizar as moléculas de radicais livres antes que causem danos às células da pele e provoquem o envelhecimento precoce. 

Queda de cabelo: por que os cabelos caem e como evitar

A queda de cabelo é um problema que afeta e preocupa grande parte da população mundial e como resultado pode ter um impacto importante na autoestima e na personalidade das pessoas.

E você? Algum dia já se preocupou ao perceber a quantidade de fios de cabelo que encontra no chão da sua casa?

queda excessiva de cabelo

Pois saiba que isso é mais comum do que se imagina.

A Redação Hora divulgou um dado bem expressivo sobre a queda de cabelo. Segundo a reportagem, o problema atinge ao menos 25% das brasileiras com idade entre 35 e 40 anos, e o percentual sobe para 50% a partir da quarta década de vida. 

Por outro lado, os homens, segundo a Associação Brasileira de Cirurgia de Restauração Capilar, estima-se que mais de 25 milhões de brasileiros do sexo masculino sofram de algum grau de calvície. A primeira mudança neles é geralmente a queda do cabelo nas áreas temporais, que ocorre em cerca de 96% dos homens brancos maduros, incluindo aqueles sem tendência à calvície.

Por que os cabelos caem

A perda de cabelos é um processo natural do ciclo de crescimento dos fios. Diariamente perdemos cerca de 80 a 120 fios de cabelo, e isso é normal. Por outro lado, quando esse número começa a se acentuar, passamos a ter o que se configura como queda de cabelos.

Acima de tudo, para tratar e prevenir esse problema, é importante entender como funciona o ciclo de crescimento dos fios.

Fases de crescimento dos fios

fase de crescimento
Fases do crescimento dos fios de cabelo. Fase anágena, catágena e telógena.

O crescimento dos fios do cabelo divide-se em 3 fases:

1 – Fase anágena: quando o cabelo é efetivamente produzido, e o fio está em crescimento. Tem duração de 2 a 6 anos, e aproximadamente 90% dos cabelos do couro cabeludo encontram-se nesta fase.

2 – Fase catágena: é uma fase curta, que dura de 2 a 4 semanas, e de transição. Os fios param de crescer, e o folículo que produz o cabelo se contrai em direção à superfície. 

3 – Fase telógena: é caracterizada pelo repouso do folículo, sem qualquer atividade. Esta fase dura de 2 a 4 meses e, à medida que o fio entra na fase telógena, novas células vão começando a se dividir, formando um novo fio. Posteriormente, o fio que estava em repouso cai, dando espaço para o desenvolvimento do novo. 

Quando acontecem alterações neste ciclo, começa-se a perceber a queda acentuada dos fios. 

A perda anormal de cabelos, ou seja, aproximadamente mais de 100 fios por dia, pode ser percebida através de: 

  • Queda ao passar as mãos pelos cabelos
  • Perda excessiva de fios ao lavar e ao pentear
  • Observação de vários fios de cabelos soltos sobre o travesseiro ao acordar
  • Perda de volume dos cabelos
  • Quando conseguir observar facilmente grandes áreas do couro cabeludo

Ou seja, perder cabelo é um processo natural do ciclo de vida dos fios. Mas, quando essa queda é maior do que aproximadamente 100 fios, trata-se de um alerta que indica que algum fator está alterando o crescimento normal dos cabelos. 

Causas da queda de cabelo 

Muitos fatores podem interferir no crescimento dos fios, incluindo por exemplo, medicamentos, radioterapia, quimioterapia, exposição a substâncias químicas, fatores nutricionais e hormonais, doenças da tireoide, doença de pele generalizada ou local, e também estresse.

Dois desses fatores estão muito relacionados ao estilo de vida, que são a dieta alimentar e o estresse.

Primeiramente, uma dieta não balanceada causa deficiência de proteínas, aminoácidos e vitaminas, o que prejudica a nutrição do folículo capilar e enfraquece o fio, levando à queda precoce. 

O especialista Dr. Francisco Le Voci explica que o estresse, quer seja físico ou emocional, pode acarretar o que chamamos de eflúvio telógeno. O estresse pode provocar uma aceleração desse ciclo de crescimento dos fios e, com isso, muitos fios caem antes da hora, ou seja, o ciclo torna-se mais acelerado. A queda diária normal, que varia entre 80 a 120 fios por dia, pode se acentuar, chegando a até 600 fios por dia.

A queda anormal também pode estar ligada a fatores genéticos que desencadeiam a calvície tanto em homens quanto em mulheres

4 mitos sobre a queda de cabelo

1- Cortar o cabelo evita a queda

Mito, pois o corte retira parte da extensão do fio e não altera o ciclo de crescimento. Por outro lado, o corte frequente deixa o cabelo mais volumoso e com mais viço. Pois retira as pontas que são prejudicadas pelo sol, mar e tratamento químicos.

2 – Lavar os cabelos frequentemente aumenta a queda

Por mais que pareça aumentar a queda, isso é um mito. O processo de lavagem faz com que os cabelos que já caíram e estão presos nos outros fios se soltem, dando a impressão de que a lavagem aumenta a queda. 

3 – A amamentação aumenta a queda dos cabelos

Isso é um mito, pois na verdade trata-se de um período normal de adaptação do corpo. O que acontece é que durante a gestação os cabelos crescem mais devido à influência dos hormônios. Posteriormente, após o parto, as taxas hormonais vão voltando à normalidade, e um número maior de folículos entra na fase telógena, fazendo com que os fios caiam com mais volume para serem substituídos por novos. 

4 – O excesso de testosterona nos homens causa a queda do cabelo

Mito, pois a causa da queda dos fios, e principalmente a calvície, não se dá pelo aumento da testosterona, e sim pelo aumento da 5 alfa-redutase, que é um fator geneticamente determinado. Mas o mais importante, no caso de homens com tendência à calvície é tratar o couro cabeludo para retardar esse processo. 

Como tratar e evitar a queda de cabelo

Quando se percebe que os cabelos estão caindo mais do que o normal, é sempre bom investigar as causas. Para isso, procure um especialista. 

Reveja também seus hábitos. Você tem se alimentado adequadamente?

Como estão seu emocional e seu estado físico? Sua rotina é muito estressante? Se sim, repense e redefina seus objetivos 😉

Mas calma, também existem soluções para evitar a queda dos fios e estimular o crescimento de novos, mais fortes e saudáveis. 

Hoje os dermocosméticos são muito eficientes e aliados importantes nessa missão. O Tônico Nano Hair, por exemplo, é um blend de vitaminas, minerais e aminoácidos, para repor de forma tópica esses nutrientes diretamente onde nasce o fio. Isso é possível graças à tecnologia nanoencapsulada dos ingredientes. 

Além do tônico, a Extratos da Terra também possui uma linha completa para redução da queda e estímulo do crescimento dos fios de cabelo, barba e sobrancelhas.

Se você está com muita queda de cabelo, investigue as causas. Em conclusão, prevenir e tratar o problema no início sempre é a melhor indicação. 

Mas se ainda tiver dúvidas, deixe nos comentários a sua pergunta que temos uma equipe pronta para te ajudar 😉

Diga adeus às mãos ressecadas e sem vida com o novo creme hidratante de mãos

Você tem percebido suas mãos ressecadas? A pele está mais opaca e desidratada?

Isso pode ser consequência dos novos hábitos decorrentes da pandemia e das recomendações de saúde.

“Lave as mãos várias vezes”

“Utilize álcool em gel constantemente” 

São as frases mais vistas e ouvidas nos últimos meses. O álcool em gel está em toda parte, e não tem como deixar de usá-lo para que possamos nos proteger, sendo as mãos as mais afetadas em todo esse processo. 

O álcool em gel e também os sabonetes para higienizar as mãos muitas vezes deixam a pele muito seca. Em alguns casos, por exemplo, até formam pequenas rachaduras que fazem com que  a pele fique áspera e provocam desconforto. 

Nossos clientes constantemente relatam que as suas mãos estão muito ressecadas e sentem vergonha de mostrá-las ou de fazer um carinho em alguém próximo, porque a sensação do toque é muito desagradável. 

E você já percebeu que as mãos ressecadas podem fazer você aparentar 10 anos mais velha do que você realmente é?

mãos ressecadas

Isso acontece porque a pele das mãos envelhece e perde o brilho com mais facilidade do que outras regiões do corpo, pois são as mãos que estão em contato direto com detergentes e produtos de limpeza em geral, além de estarem normalmente expostas ao sol, vento e às mudanças de temperatura. 

As mulheres são as que mais sofrem com as mãos ressecadas, visto que a pele dessa região é mais delicada e cerca de 20% mais fina do que a pele masculina. A pele das mulheres também é naturalmente menos oleosa, pois possui menos glândulas sebáceas (células que produzem a oleosidade) do que a pele dos homens.

Já que não é possível deixar de usar o álcool em gel ou de lavar as mãos para nos mantermos seguros contra o coronavírus, a solução é aumentar os cuidados com a pele, redobrando o uso de cremes e de protetores. 

Porém, alguns de nossos clientes tentaram usar alguns cremes de mãos para amenizar o problema, mas esses produtos deixaram a pele oleosa, com uma sensação pegajosa.

A solução para as mãos ressecadas

Segundo os clientes, é muito difícil encontrar um creme hidratante para as mãos que tenha um toque seco de verdade e que hidrate a pele. 

Diante desses relatos, o nosso laboratório começou a trabalhar em uma solução eficaz para deixar as mãos sedosas e macias. Mas que fosse um produto que tivesse um toque realmente seco e deixasse um cheiro gostoso e refrescante na pele. 

Sem dúvida, o creme precisava ter uma base vegetal para hidratar profundamente e não deixar aquele aspecto oleoso desagradável. Mas precisava também de um ingrediente que formasse uma película protetora na pele para impedir que as mãos voltassem a se desidratar. 

Foi nesse momento que a Julia, nossa engenheira química, lembrou do óleo de purcelin. Pode parecer um nome estranho, mas esse ingrediente possui propriedades similares ao óleo natural produzido pelas glândulas sebáceas de pássaros aquáticos, com repelência à água. Ela não teve dúvida, era o escudo antirressecamento perfeito. 

Ah, não se preocupe, esse óleo é produzido em laboratório, não é extraído de nenhum animal. 💜

Mas ainda faltava algo rejuvenescedor no creme, já que as mulheres possuem a pele mais fina e não gostam de aparentar ser mais velhas do que de fato são.

A Julia então adicionou mais dois ingredientes especiais na composição do produto: o óleo de girassol e a manteiga de karité. Eles são ricos em vitamina E e ômegas 3, 6 e 9, e forneceram ao creme hidratante de mãos ação antioxidante e regeneradora da pele, ajudando a prevenir o envelhecimento e mantendo a pele das mãos saudável novamente. 

O silicone vegetal completou à formulação, proporcionando aquele toque final, bem seco, sedoso, de fácil absorção e espalhabilidade na pele.

Pronto, a Julia já tinha resolvido as necessidades da pele. Faltava a questão do bem-estar, a fragrância, que dá uma das sensações mais importantes em um creme de mãos.

Ela deve ser suave para não gerar desconforto durante o uso, mas também deve ser duradoura e agradável. Todos esses requisitos foram completados com o cheiro suave da essências de cypres e lavanda. 

Quem usou, aprovou!

E olhem o resultado! Quem testou o produto se encantou.

Veja abaixo alguns relatos dos nossos clientes após testarem o nosso novo creme hidratante de mãos:

Fernanda, de 35 anos, falou:

“Senti que teve hidratação imediata e prolongada, rápida absorção, ótimo deslize, não trava, não forma grumos.”

Micheli, de 39 anos, relatou:

“Produto agradável, não deixou a mão pegajosa, toque aveludado e cheiro muito bom. Até meu esposo percebeu a hidratação e a maciez na minha mão, passei o creme antes de sair do trabalho, lavei louça chegando em casa e a mão continuou hidratada.”

Franciéli, de 38 anos, comentou:

“Gostei muito, perfeito para usar associado ao álcool em gel, pois não perde a hidratação mesmo com a influência do álcool.” 

Claudete, de 36 anos, complementou:

“Achei bom, mesmo fazendo a aplicação logo após ou antes de passar o álcool na mão, o produto absorve bem e não perdeu a sensação de hidratação.”

Aline, de 31 anos, que não gosta de creme para as mãos, disse:

“Maravilhoso. Não uso creme nas mãos porque todos os que já usei deixavam a minha pele pegajosa, e não gosto dessa sensação.”

Dalva, de 38 anos, relatou:

“Gostei muito, não ficou aquele aspecto oleoso nem muito seco, absorveu na medida certa e, após lavar, ainda ficou hidratada.”

Vera, de 23 anos, complementou:

“Senti a textura leve, de fácil absorção, e deixou minha pele bem macia após o uso. O cheiro me agradou bastante, superleve para passar o dia.”

Onde comprar

A boa notícia é que esse creme já está disponível em nossos distribuidores e revendedores, e também no site: www.extratosdaterra.com.br.

O melhor de tudo é que ele é muito acessível e custa apenas R$ 24,90, além ter um tamanho ótimo para carregar na bolsa.

Adquira o seu e fique com as mãos cheirosas e sedosas o dia todo.