Arquivo da categoria: Conteúdo

Pele do corpo

Você sabia que a pele do corpo e a do rosto são bem diferentes? Por mais que tenha a mesma estrutura, a pele se distingue em algumas características, tais como pH, espessura e oleosidade, dependendo da região. 

Quer entender o porquê dessas diferenças?

Vamos pensar nas mãos. A pele das mãos é diferente da do dorso e da palma, não é mesmo?

Na palma da mão, a pele é mais lisa e mais grossa do que no dorso. Isso porque as mãos são o nosso meio de contato principal com objetos e agentes externos e por isso precisam de mais resistência. Já no dorso, a pele é mais fina e está exposta o tempo todo ao ambiente externo e às variações de temperatura, assim como a pele do rosto.  

Agora pense nos pés, que sustentam todo o peso do corpo. Trata-se de uma região que está constantemente em atrito, por isso precisa ter a pele mais resistente. 

Ou seja, temos pele por todo o corpo e que é constituída pelas mesmas três camadas: epiderme, derme e hipoderme. Porém, dependendo da função de cada região do corpo, a pele possui características distintas e, dessa forma, também tem necessidades diferentes. 

Por esse motivo, existem dermocosméticos específicos  para o corpo e outros para o rosto. 

Diferença de espessura da pele do corpo

Uma das diferenças entre a pele do corpo e a do rosto é quanto à espessura da camada mais externa. Dependendo da região, a pele pode ser mais espessa ou mais fina. Por exemplo, áreas sujeitas a um maior atrito, como palmas das mãos e planta dos pés, têm uma camada mais grossa que varia de 1 a 5 mm de espessura. 

Já na pele do rosto a espessura varia de 0,05 mm (na região dos olhos) a 0,1 mm, sendo bem mais fina e sensível. 

Com o envelhecimento, a pele vai ficando mais fina, principalmente nas mulheres, devido às variações hormonais. Você pode conferir um pouco mais dessas variações da pele na menopausa clicando aqui

A espessura da pele também interfere na hora de se aplicar um produto de tratamento, pois em uma pele mais espessa os produtos têm maior dificuldade para serem absorvidos, visto que precisam atravessar uma barreira maior do que em uma pele mais fina.  

Para você entender melhor como um dermocosmético pode atravessar a barreira de proteção externa da pele e chegar aonde ele precisa, fizemos um vídeo com a nossa técnica Elizete Garcia. Nele, Elizete explica como é a interação da pele com os produtos que são aplicados nela.

Como os dermocosméticos ultrapassam a barreira de proteção da pele

Diferença entre o pH da pele do corpo e do rosto

Primeiramente, o pH é um índice que mostra se a pele é ácida, neutra ou alcalina. O pH neutro é 7. Abaixo disso, temos o pH ácido, e acima, o alcalino. Mas o mais importante sobre o pH é a sua função na pele. 

O pH é um mecanismo decisivo na proteção da pele e está muito ligado às condições em que a pele se encontra. O parâmetro ideal do pH da pele do corpo e rosto é ligeiramente ácido, mas pode variar com a idade e em determinadas regiões. 

O pH ácido da pele forma uma espécie de barreira de proteção, o chamado manto ácido, que protege contra a permeação e o crescimento de bactérias ruins. 

Vamos pensar nas mãos novamente. Elas sofrem com a variação climática e estão em constante contato com produtos químicos, detergentes e sabões que possuem pH alcalino. Devido ao contato recorrente com essas substâncias, o pH da pele nessa região fica desequilibrado e com menos acidez. Dessa forma, a barreira de proteção da pele não é tão efetiva como nas outras áreas de pH mais ácido. Desta forma, está mais suscetível ao crescimento de bactérias nocivas e à desidratação. 

Confira na imagem as diferenças de pH em algumas região do corpo:

Diferenças de pH na pele do corpo

Resumindo, quanto mais perto do pH 7, menor é a proteção natural da pele e, com isso, maior é o crescimento de bactérias ruins, que podem causar algum tipo de irritação ou doença cutânea, e também maior é a chance de ressecamento. 

Presença de glândulas sebáceas

As glândulas sebáceas (células que produzem a oleosidade da pele) estão presentes na maioria das regiões do corpo, com exceção da palma das mãos e da planta dos pés, e são mais abundantes no couro cabeludo e no rosto. 

As glândulas sebáceas estão ligadas à estrutura responsável pelo crescimento dos cabelos e dos pelos, e secretam o sebo que ajuda a formar uma película sobre a pele, mantendo-a mais flexível e evitando a perda de água.

Dessa forma, regiões que têm menos pelos e, por consequência, menos glândulas sebáceas, como dorso das mãos, pernas e braços, ficam desidratadas e ressecadas com mais facilidade.

Por que não usar os mesmos produtos do rosto no corpo?

Depois de conhecer um pouco mais sobre as variações que existem nas diferentes partes do corpo, fica fácil entender por que razão um produto que é desenvolvido para a pele do corpo não pode ser usado no rosto, e vice-versa.

Isso porque as necessidades da pele do corpo são diferentes das do rosto e porque  características como espessura, pH e oleosidade também são distintas. 

Por exemplo, se você usar um produto que foi desenvolvido para o corpo com um pH específico para a região corporal e aplicar no rosto, onde o pH é totalmente diferente, pode estar causando um desequilíbrio na pele e até deixando-a desprotegida. 

Ou ainda, se você usar um produto desenvolvido para o rosto, onde a pele é mais fina, no corpo, onde a pele é mais grossa, o produto pode nem conseguir atravessar a barreira de proteção e assim não ter qualquer efeito. 

Acompanhe o nosso blog para entender ainda mais sobre a pele e sobre como cuidar dela. Você vai encontrar muitas dicas aqui para aprender e se informar 😉

Gestação: o que pode ser usado durante a gravidez

A gestação é um momento de grandes transformações para a mulher. Ela passará por mudanças na sua rotina e no seu corpo. Durante o período da gestação, o corpo vai se modificar lentamente, preparando-se para o parto e para a maternidade. 

Ser mãe muitas vezes muda o estilo de vida e os objetivos da mulher. É uma transformação linda, e cada gestação é única e cheia de particularidades.

Os sentimentos das mulheres nesse período podem mudar de um momento para outro, sendo causados parcialmente pelos hormônios da gravidez, e essas alterações emocionais são totalmente normais. 

A gestação é um fenômeno fisiológico, e por isso mudanças no corpo durante esse período são comuns.

Algumas grávidas sentem mais alterações e sintomas do que outras, mas o fato é que em todas o corpo muda. As taxas hormonais nesse período são bem altas e causam tanto modificações físicas no corpo como mudanças na textura da pele, unhas e cabelos. 

O que usar na pele antes do terceiro mês da gestação

primeiros meses de gestação

Nos 3 primeiros meses, o corpo não sofre alterações muito visíveis, mas é superindicado já começar a preparar a pele para as mudanças que virão.

Nessa fase, o mais importante é cuidar da hidratação e proteção da pele. Reservar um tempo especial para curtir esse momento único é muito importante para o bem-estar do corpo e da mente. 

Excelentes opções de produtos hidratantes nesse período são o Ômega 7 e o Oil Dermo Active. Esses produtos aumentam a hidratação e a elasticidade da pele, combatendo a flacidez e prevenindo as estrias. Ambos são produtos de base vegetal e compatíveis com a pele, não oferecendo riscos à gravidez.

Os três primeiros meses normalmente são os mais delicados e merecem uma atenção especial com relação ao que se utiliza na pele. Dessa forma, é sempre bom procurar orientação médica para uso de outros produtos nessa fase. 

O que usar na pele após o terceiro mês da gestação

gestação

Após o terceiro mês de gestação, as modificações físicas ficam mais visíveis, a barriga começa a aparecer, os seios ficam mais inchados.

Conforme os meses passam, a retenção de líquido aumenta, o espaço para o bebê vai ficando limitado e desconfortos podem ocorrer.

Algumas mulheres sentem-se mais cansadas também. Por outro lado, muitas mulheres ficam radiantes nesse período e com uma energia e brilho sem igual. 

Os cuidados com o corpo e a pele após o terceiro mês são mais focados na diminuição dos edemas e do inchaço, além da prevenção de estrias, já que a barriga e os seios aumentam de tamanho.

Algumas indicações de produtos para uso após o terceiro mês de gestação

Fazer drenagem linfática manual com produtos vegetais é um procedimento indicado para as futuras mamães. Não é aconselhado nesse período se preocupar com o uso de dermocosméticos para controlar o peso, então cosméticos com nicotinato de metila e cânfora estão proibidos. Um boa dieta é a melhor opção nesse caso.

Assim, um produto liberado para uso na gestação que auxilia no controle do inchaço e também já ajuda no tratamento da celulite é o Advanced Detox. A Loção Antiestrias também está liberada após o terceiro mês e pode ser utilizada nas regiões mais acometidas pelas estrias, como abdômen e mamas. 

A Anvisa também recomenda não usar cosméticos com  ureia sem orientação medica. Esta substância é encontrada principalmente em cremes hidratantes.

Por outro lado, hidratantes com bases vegetais e livres de parabenos são os produtos indicados nessa fase, pois são mais seguros e compatíveis com a pele, diminuindo assim as chances de a gestante desenvolver algum tipo de alergia.

Lembre-se de que nesse período de gestação, como o corpo está em constante mudança, a pele fica mais sensível e muito vascularizada, portanto, tornando-se mais reativa. 

A limpeza de pele também é um tratamento que pode ser feito para melhorar a pele desde que os produtos não contenham trietanolamina, como é o caso da linha Aquaface.

Ah, é bom evitar usar soluções emolientes e dar preferência ao creme emoliente, pois a pele na gravidez, como mencionado, é mais sensível a ter alguma reação às substâncias da solução emoliente.

Tratar manchas na gravidez

Durante a gestação, também pode ocorrer acne e manchas devido às alterações hormonais, que são constantes.

Esses problemas de pele podem ser temporários e passar após o parto. Portanto, durante a gravidez não é recomendado tratar a acne e as manchas, pois muitos dos produtos para o tratamento dessas disfunções contêm substâncias nocivas para a gestante e para o bebê, como, por exemplo, os ácidos.

Lembre-se de que esses tratamentos nesse momento não valem o risco.

Se o melasma persistir após o parto, pode ser feito um tratamento para o controle da pigmentação, mas se a mulher estiver amamentando, o recomendado é ainda evitar produtos com ácidos. 

Proteção solar

Recomenda-se durante a gestação usar sempre proteção solar reforçada, de preferência com filtro em forma de cremes, devendo-se repor com o protetor e o multiprotetor em pó, fazendo-se sobreposição e realizando-se a reaplicação com mais facilidade. Sem contar que o pó possui proteção contra poluição digital e atmosférica, evitando ainda mais o aparecimento de manchas.

Produtos que controlem a oleosidade da pele e que não contenham substâncias nocivas também são bem-vindos e vão ajudar no controle da acne sem causar efeitos adversos.

Já os cabelos têm a sua particularidade devido aos hormônios. Durante a gravidez, os cabelos ficam lindos e algumas vezes mais espessos. Porém, no pós-parto ocorre uma queda intensa dos fios.

Cuidados com os cabelos

A linha Terapia Capilar auxilia a controlar essa queda e pode ser usada sem problemas na lactação e também na gestação. 

Confira a lista completa de produtos que separamos que podem se usados neste período tão especial na vida das mulheres:

Os outros produtos da Extratos da Terra que não constam nessas listas são PROIBIDOS tanto para gestantes quanto para lactantes. 

Como escolher o melhor produto para o seu tipo de pele

Chegou a hora de encontrar o melhor produto para o seu tipo de pele. 

O primeiro passo é identificar o seu tipo de pele. O segundo é escolher os produtos mais adequados para você. Comece escolhendo os produtos para os três passos básicos de cuidados com a pele:

  • Limpeza
  • Hidratação
  • Proteção do sol

Melhor produto para a limpeza da pele

Primeiramente, cada tipo de pele tem uma necessidade na hora de fazer a limpeza do rosto. Confira abaixo algumas dicas de produtos recomendados para os tipos de pele existentes.

O melhor produto para limpar a pele, conforme o tipo de pele
Higienizantes para para tipo de pele

Como escolher um sabonete para peles mistas a oleosas

A pele oleosa tem uma produção maior de sebo que as outras peles. Por isso precisa de um produto específico que retire a oleosidade e que deixe uma sensação de refrescância e toque seco por mais tempo. 

O melhor produto para esse tipo de pele é o Sabonete Refrescante, pois, além de limpar a pele e de proporcionar uma sensação de refrescância, auxilia no controle da oleosidade, retirando o aspecto brilhoso sem deixar a pele ressecada.

Por outro lado, se além de ter a pele oleosa você possui acnes ou espinhas, o mais recomendado é tratar a oleosidade e a acne ao mesmo tempo. Para isso, use a Espuma Detox, que limpa e tonifica, possui ação detox e antipoluição. Desta forma, desintoxica os poros e evitando a formação de novas espinhas.

Como escolher um sabonete para pele normais a secas

Peles normais a secas precisam de um produto que retire as impurezas do rosto, mas que não deixe a pele ressecada e com a sensação de repuxamento, que é comum acontecer quando utilizamos produtos inadequados para o nosso tipo de pele. 

O mais indicado para essas peles é a Espuma de Limpeza Hidratante, ou ainda o Sabonete Dermopurificante. Esses produtos além de limparem, também protegem e preservam a hidratação natural da pele, deixando-a suave ao toque. 

Como escolher um sabonete para peles maduras

Além de limpar, para peles maduras, é interessante um produto que acima de tudo, auxilie no processo de renovação.

Duas espumas estão entre as mais recomendadas para esse caso e podem ser usadas por todos os tipos de pele: Espuma de Limpeza Facial e Glycoacid Detox, ambas com o ácido glicólico. 

A Espuma de Limpeza Facial com Ácido Glicólico remove as células mortas e diminui os sinais da idade. E a Glycoacid Detox é para quem tem a pele madura mas que também possui algumas manchas, pois essa espuma tem efeito detox, estimula a renovação celular e ajuda na redução das marcas senis da pele.

Qual o melhor produto hidratante para o seu tipo de pele

No post como cuidar da pele, você já aprendeu que todos os tipos de pele precisam ser hidratados, sem exceção.

hidratação

Essa ação previne o envelhecimento, mantém a pele saudável e com a barreira de proteção fortalecida contra os agentes externos, como, por exemplo, poluição e mudanças de temperatura.

A diferença entre os hidratantes de cada tipo de pele é a composição do produto. Por exemplo, para peles oleosas o ideal é ter um hidratante em forma de gel ou sérum, que não pesa na pele e não vai deixá-la mais oleosa. Já peles secas necessitam de um poder hidratante maior e, nesse caso, os hidratantes em creme são os mais indicados. 

Outro fator importante na hora de escolher um hidratante diz respeito aos ingredientes ativos que cada produto possui. Esses ingredientes são direcionados às características de cada tipo de pele. 

Hidratante para peles mistas a oleosas

O hidratante mais indicado para peles oleosas de todas as idades é o Gel-Creme Oil Control. Ele é um hidratante multifuncional que mantém a pele livre do brilho e da oleosidade excessiva. Também promove hidratação prolongada e minimiza o tamanho dos poros dilatados, tornando-os menos visíveis e promovendo um imediato efeito tensor dos poros . 

O hidratante ainda age em outros aspectos gerais da pele, como o envelhecimento e a uniformização do tom, graças a ativos como nano vit C e niacinamida.

Hidratante para peles normais a secas

Se a sua pele é muito seca, você precisa de um produto com um poder hidratante maior. E nesse caso, você pode escolher conforme a necessidade da sua pele:

  • Se você tem a pele seca e com poucas rugas, opte pelo Prevent. Ele vai hidratar e retardar o aparecimento das linhas de expressão.
  • Por outro lado, se você tem a pele seca e já possui rugas e sinais de expressão, escolha como hidratante o Reverse. Ele vai hidratar, diminuir as rugas e linhas de expressão, e também aumentar a firmeza da pele. 

Hidratante para todos os tipos de pele

Também existem os hidratantes multifuncionais, que se adaptam à maioria dos tipos de pele. 

Para ter essa flexibilidade, esses hidratantes normalmente são em forma de sérum. Um exemplo é o Dermo Vit C, que possui um excelente poder de hidratação graças às nanocápsulas de vitamina C e de resveratrol. Esses ingredientes hidratam a pele ao mesmo tempo que tratam e previnem as linhas de expressão e as rugas. 

Este sérum é um produto multifuncional que possui forte ação antioxidante e hidratante, sendo recomendado tanto para peles jovens quando para peles que já apresentam os sinais de envelhecimento. Mas deve-se ter uma atenção maior ao usá-lo em peles oleosas, pois poderá não se adaptar 100% a esta pele, já que não possui nenhum ingrediente que auxilia no controle da oleosidade. 

Qual o melhor produto para proteger a sua pele do sol 

O protetor solar deve ser usado desde a infância, já que os efeitos da radiação são cumulativos na pele, ou seja, os danos vão se somando durante toda sua vida. Além disso, você deve usar o protetor solar o ano inteiro.

Proteção solar em todas as idades

Mas na hora de escolher o melhor protetor solar, podem surgir algumas dúvidas: qual é o melhor produto para o meu tipo de pele?

Primeiramente é importante entender que, além do tipo de pele, é preciso considerar qual o seu fototipo. Explicamos como escolher o fator de proteção no texto como cuidar da pele. 

Confira agora as sugestões de protetores solares da Extratos da Terra conforme os tipos de pele. 

O melhor produto para proteger as peles mistas a oleosas

A pele oleosa é talvez a mais difícil de se encontrar um protetor que se adapte a ela sem deixar aquela sensação pegajosa. A Extratos da Terra tem duas sugestões de protetores para a pele mista a oleosa.

O primeiro é o Protetor FPS 20, com toque seco e suave, além de textura oil free. Possui em sua fórmula extratos vegetais que controlam a oleosidade.

O segundo são os protetores em pó translúcido e com cor, com fator de proteção 50. O protetor em pó pode ser associado ao FPS 20, deixando a reaplicação do filtro durante o dia mais fácil. Mas você também pode usar o pó sozinho. Ele possui ação contra a luz azul, poluição urbana e deixa a pele com toque seco e sem brilho. 

Melhor protetor para peles normais a secas

Pessoas com peles normais a secas não possuem muita restrição quanto ao uso do protetor, por outro lado, devem sempre se lembrar se escolher o FPS mais adequado ao seu tom de pele. 

Algumas dicas de protetores para essas peles são:

  • FPS 30 e FPS 50: ambos protegem dos raios UVA e UVB e possuem a coenzima Q10, que tem como função auxiliar a diminuir a profundidade das rugas e linhas de expressão, aumentar a firmeza da pele e a produção de colágeno.
  • Tonalizante Clareador: é um protetor ideal para quem tem algumas imperfeições na pele e deseja disfarçá-las. Também tem ação clareadora, sendo perfeito para proteger peles com manchas. 
  • Protetor em pó com FPS 50: disponível nas cores translúcido, médio e escuro, ideal para uso diariamente, deixando a rotina de reaplicação do filtro solar muito mais fácil e prática ao longo do dia. Você pode inclusive usa-lo sobre a maquiagem.

Cuide da sua pele com os produtos mais recomendados para as suas necessidades.

Se ainda tiver dúvidas, deixe a sua pergunta aqui nos comentários que nós responderemos para você 😉

Teste de eficácia: a comprovação de que os dermocosméticos funcionam

Dermocosméticos e teste de eficácia são dois termos que geram muitas dúvidas e que estão intimamente relacionados.

Primeiramente, o termo dermocosmético é utilizado para definir um produto com uma função de tratamento para a pele, como, por exemplo, produtos para tratar  manchas, produtos anti-idade e antiacne, produtos para redução de gordura localizada, entre muitas outras funções. 

Enquanto os cosméticos comuns têm uma ação mais superficial ou mascaram o problema da pele, como, por exemplo, as maquiagens e os cremes hidratantes comuns. Os dermocosméticos são diferenciados, pois possuem ingredientes que agem para solucionar ou amenizar um problema específico. Com a evolução da ciência, esses ingredientes ficam mais tecnológicos e eficazes a cada dia. 

Por falar em eficácia, os dermocosméticos precisam ter comprovação de que realmente resolvem o problema. Assim a Anvisa (órgão que regulamenta e monitora os cosméticos e medicamentos no Brasil) libera a produção e a venda desses produtos.

Essa comprovação é feita através de testes de eficácia, que devem ser realizados por laboratórios sem qualquer  ligação com a empresa que produz o dermocosmético, de modo que não ocorra manipulação de dados. Os laboratórios também precisam ser regulamentados pela Anvisa para poder realizar esse tipo de teste. 

Como é feito o teste de eficácia de um dermocosmético

Depois que a empresa desenvolve a fórmula de um produto de tratamento, é necessário comprovar que esse produto realmente funciona. Para isso, os fabricantes enviam amostras do produto a laboratórios credenciados pela Anvisa. 

Para ficar mais fácil de entender, imagine que uma empresa desenvolveu um produto para clarear a pele. Dessa forma, o laboratório que fará os testes seleciona pessoas com manchas na pele para testar o produto.

Antes de o laboratório iniciar os testes, todos os voluntários são avaliados por pessoas capacitadas, muitas vezes dermatologistas. Desta forma, tem-se a certeza de quem vai testar o produto possui realmente manchas e que podem ser tratadas com dermocosméticos. 

Essas pessoas então usam os produtos por um tempo determinado pelo fabricante. Ao final do teste, os voluntários dão a sua opinião sobre o produto, avaliando se esse produto realmente reduz as manchas. O produto clareador foi só um exemplo, mas esse processo acontece com todos os produtos que prometem tratar a pele de alguma forma.

Juntamente com o resultado, os testes de eficácia informam por quanto tempo os voluntários usaram o produto. Sabe-se que cada pessoa é única e que o tempo para perceber os resultados pode variar conforme o tipo de pele e os hábitos individuais. Mas esse tempo serve para você comparar e ter uma ideia de quanto tempo depois que usar um produto perceberá o resultado. 

Portanto, quando você for comprar um produto de tratamento para a pele e não constar na embalagem a informação dos testes de eficácia, solicite ao fabricante essa informação. Assim você terá mais garantia de que o produto realmente resolverá o seu problema. 

Quais são os tipos de testes realizados em dermocosméticos?

Além dos testes de eficácia mencionados anteriormente, a maioria dos dermocosméticos também possuem os testes dermatológicos. Esses últimos não dizem respeito à eficácia do produto, mas sim mostram que o produto é seguro e que tem baixo poder de provocar alergias na pele.  

Esses testes são feitos também por laboratórios credenciados pela Anvisa e seguem um protocolo realizado por dermatologistas, que avaliam a pele antes e após o uso do produto, e assim define-se se esse produto é seguro para o uso. 

Existem ainda os testes clínicos. A diferença destes para o teste de eficácia é que o resultado da eficácia do produto é medido por um dermatologista, que avalia o produto através de aparelhos ou de outros recursos disponíveis para definir o quanto esse produto resolve o problema de pele proposto. 

Portanto, os três testes mais comuns em dermocosméticos são:

  • Teste de eficácia: o resultado é a percepção de quem usou o produto, que dá a sua opinião do quanto a pele melhorou. 
  • Teste clínico: o resultado dá-se pela percepção e avaliação de um médico dermatologista. 
  • Teste dermatológico: comprova que o produto é seguro para o uso, segundo a avaliação de um dermatologista.

Por que a Extratos da Terra faz testes em seus produtos?

A Extratos da Terra é uma empresa que desenvolve os seus próprios produtos através de muitas pesquisas de ativos e ação na pele. Por isso, a empresa opta sempre por investir nos testes de eficácia realizados por voluntários que possuem as mesmas queixas que os  clientes Extratos. 

O investimento financeiro para realizar os testes de eficácia é bem alto. Porém, dessa forma, quem compra os produtos da Extratos da Terra tem a garantia de que esses produtos foram aprovados e realmente funcionam, o que para nós é superimportante.

Caso os testes não apresentem o resultado esperado pela equipe de desenvolvimento, os produtos voltam a ser estudados, sua fórmula é modificada e novos testes de eficácia são realizados com voluntários. Isso garante que os produtos vendidos pela marca sejam realmente eficazes e melhorem a pele e a autoestima de seus clientes. 

Onde encontrar os testes nos dermocosméticos da Extratos da Terra

teste de eficácia em dermocosméticos

A transparência e a qualidade dos produtos da Extratos da Terra são demonstradas pelos testes de eficácia, que estão visíveis, na sua maioria, nas embalagens dos produtos e também em nosso site. 

Você ainda consegue visualizar os principais testes dos produtos no destaque “testes de eficácia” da página oficial da marca no Instagram.

QR cod

Além disso, as nossas embalagens contêm um QR code que, quando escaneado, você encontra informações mais detalhadas do produto, como, por exemplo, a indicação, o modo de uso, o teste de eficácia e outros conteúdos. 

Agora que você já sabe o que são os testes de eficácia, na hora de comprar o seu produto de tratamento da pele verifique se a empresa fez testes que garantam que esse produto realmente cumpre o que promete.

Qualquer dúvida sobre os testes de eficácia de nossos produtos, deixe a sua pergunta aqui nos comentários. 🙂

Tipo de pele: saiba qual é o seu

Conhecer o seu tipo de pele é muito importante para ajudar você a entender como cuidar dela de forma adequada e mantê-la sempre bonita e saudável, escolhendo os produtos e a rotina de cuidados corretos. 

Após usar um produto, a minha pele ficou mais oleosa

Usei um hidratante, mas ele não melhorou a minha pele

Relatos como esses são mais comuns do que se imagina, e isso pode ser o resultado do uso de produtos que não são destinados ao seu tipo de pele. 

Cada tipo de pele possui diferentes características e por esse motivo requer produtos específicos. E é por isso que nem sempre o produto que deu resultado para a sua amiga vai dar certo para você. Cada pele é única e com particularidades, e saber identificar quais são as características da sua pele faz com que as suas escolhas na hora de usar um produto sejam mais assertivas e tragam os resultados que você espera, além de evitar reações indesejadas. 

Outra importância em saber identificar o seu tipo de pele é que fica mais fácil perceber quando a pele está sofrendo alguma alteração, como o aparecimento de espinhas ou sensibilidade que venha a causar desconforto. 

Como identificar o tipo de pele?

Nós já falamos aqui no blog sobre como a pele funciona, quais são as suas funções e a interação com os produtos cosméticos. Agora chegou a hora de entender qual é o seu tipo de pele.

Os 4 tipos de pele são:

  • Normal
  • Seca
  • Mista
  • Oleosa

Para definir o tipo de uma pele, são observadas características que a pele apresenta e como ela se comporta em certas ocasiões como:

  • Aparência ao acordar
  • Sensação após lavar o rosto
  • Aparência após a prática de exercícios físicos
  • Comportamento da pele em outros momentos do dia

Comece lembrando as características da sua pele. Vamos descobrir qual é o seu tipo agora?

Pele normal

Aspecto da pele normal

A pele considerada normal possui uma textura aveludada e suave. Sua aparência é rosada, e seus poros são pequenos e quase imperceptíveis. Possui boa elasticidade e é bem equilibrada, ou seja, nem muito oleosa, nem muito seca. 

Pessoas que têm a pele normal, quando acordam de manhã e se olham no espelho, percebem a pele bem hidratada e sem excesso de oleosidade. Por outro lado, ao fazer uma atividade física mais intensa, essas pessoas geralmente ficam com a pele mais avermelhada nas bochechas. 

Pele oleosa

Talvez seja o tipo de pele mais fácil de ser identificado, pois o aspecto é bem brilhante, já que esse tipo de pele produz mais oleosidade do que a pele normal. 

tipo de pele: oleosa
Aspecto da pele oleosa

Quem tem a pele oleosa normalmente sente a necessidade de lavar o rosto várias vezes ao dia devido à sensação de a pele estar suja por conta da oleosidade. Por outro lado, ao lavar o rosto, a pessoa sente-se confortável.

A pele oleosa apresenta também poros dilatados e maior tendência à formação de cravos e espinhas. 

Se você já se identificou nesse tipo de pele, acesse o conteúdo “Pele oleosa: 4 dicas para ficar com a pele sequinha o dia inteiro.”

Pele seca

Esse tipo de pele costuma ser mais opaco, com pouca luminosidade e baixa hidratação natural, caracterizada pela perda de água em excesso.  

Pele Normal
Aspecto da pele seca

A pele seca pode ter um toque áspero, descama com facilidade e normalmente é mais sensível em algumas regiões, ficando vermelha, por exemplo, na mudança de temperatura ou após a prática de atividade física. 

Pequenas linhas e fissuras são mais facilmente percebidas nessas peles devido à falta de hidratação. 

Pele mista

É o tipo de pele mais frequente. A pele mista apresenta uma mistura de características dos outros tipos de pele. Algumas regiões do rosto apresentam característica de pele oleosa, como a “zona T”  (testa, nariz e queixo), e em outras regiões como por exemplo, nas bochechas a pele é normal ou seca.

tipo de pele mista
Pele mista: região “T” com aspecto oleoso

A pele mista apresenta um aspecto brilhoso na zona T e pode apresentar também espinhas e cravos nessa região.

Após a prática de atividade física mais intensa, esse tipo de pele fica com aspecto mais oleoso. Por outro lado, na região das bochechas, por ser mais ressecada, após lavar o rosto tem-se a sensação de repuxamento. 

Teste para descobrir o seu tipo de pele

Se a descrição das características de cada pele ainda tenham deixado você com dúvidas sobre qual é o seu tipo de pele, criamos um teste por meio do qual, através de algumas perguntas, conseguimos te ajudar a definir a sua pele e indicar quais os produtos mais para ela.

Conheça ainda as variações de tipo de pele

A Sociedade Brasileira de Dermatologia (SBD) classifica esses quatro tipos de pele quando se trata de pele saudável.

Por outro lado, muitas vezes encontramos outras descrições, como pele acneica, pele sensível e pele envelhecida. Essas definições dizem respeito às condições em que a pele se encontra. Peles com esses problemas devem-se a vários fatores como por exemplo, a alimentação, estilo de vida, uso de medicamentos, entre outros.

Sendo assim, entre outras características, uma pele pode ser:

  • Oleosa e acneica
  • Mista e sensível
  • Seca e envelhecida

Vamos ver as duas principais: pele acneica e pele sensível. 

Pele acneica

Primeiramente, a pele acneica é aquela que apresenta uma condição inflamatória na forma de espinhas avermelhadas. Apesar de a acne ser mais comum em peles oleosas e mistas, pode se manifestar também em peles normais e secas, pois caracteriza uma condição em que a pele se encontra. 

A acne surge por vários fatores. Explicamos mais detalhadamente como a acne aparece no post “Acne: o que é e como ocorre.”

Pele sensível

A sensibilidade também é uma característica que pode estar presente em qualquer tipo de pele, mas é mais comum em peles secas devido ao fato de a barreira de proteção e hidratação não ser efetiva. 

Por outro lado, outros fatores podem modificar a pele e deixá-la mais sensível e reativa a qualquer mudança de hábito que você possa ter. Abaixo citamos alguns exemplos, entre outros, que podem deixar a pele sensível:

  • Uso de medicamento, como o Roacutan
  • Tratamentos com peeling mais profundos
  • Tratamentos de pele agressivos 
  • Dermatites 

Independentemente do seu tipo de pele, os três cuidados básicos que todos devemos ter é lavar o rosto de forma adequada, hidratar e proteger do sol. 

Agora que você já sabe qual é o seu tipo de pele, escolha produtos que vão agir conforme as suas necessidades. Lembre-se sempre de ler a embalagem do produto e verificar para qual tipo de pele é indicado.

Separamos para isso uma última dica no post “3 passos diários para manter a pele bonita todos os dias”. Lá constam algumas dicas de quais produtos são mais adequados para o seu tipo de pele. 

Cuide bem da sua pele e conte conosco para ajudar você! 

Manchas na pele: como aparecem

“Eu sempre sofri muito por conta de manchas na pele. Parece que a minha pele é muito sensível, e qualquer coisa que acontece, aparece uma mancha. Primeiro foram as manchas de acne que tive durante a adolescência. Elas não eram muitas, nem muito marcadas, mas me incomodavam, e eu sempre sentia necessidade de usar algo para cobri-las.

Depois de um tempo, começaram a aparecer umas manchas um pouco mais marcadas, e quando pesquisei descobri que eram melasmas. Eu usei alguns produtos diferentes para tratar, às vezes parecia que melhorava, mas depois as manchas voltaram. 

Eu sei que devo me aceitar como sou, mas essas manchas realmente impactam a minha autoestima, e eu me sentiria melhor se elas não aparecem tanto.”

Você se identifica com a situação acima ou com alguma parte dessa história?

Muitas pessoas passam por isso, já que a maioria da população tem manchas na pele.

Normalmente, quem de fato sente que as manchas incomodam faz de tudo para amenizá-las, mas nem sempre essas ações funcionam.

Você sabe que tudo pode mudar se passar a entender o que são essas manchas na pele, por que elas aparecem e como surgem?

Assim você vai saber o que realmente acontece dentro da sua pele, que tipos de manchas você tem e qual a melhor forma de tratá-las.

Talvez você esteja pensando: vão tentar me vender algum produto. A verdade é que poderíamos, mas não vamos fazer isso. Queremos realmente compartilhar o nosso conhecimento com você, de modo que escolha o que é melhor para a sua pele, e a partir daí a decisão sobre como cuidar das manchas é sua.

O que são as manchas na pele?

A primeira coisa que você precisa saber é que as manchas na pele são formadas por conta de uma produção descontrolada da melanina.

A melanina é um pigmento que dá cor à nossa pele, ou seja, produzimos ela naturalmente.

Porém, algumas situações podem contribuir para que a melanina seja produzida em excesso, fazendo com que algumas partes da pele fiquem mais escuras do que outras. E são essas partes escuras que chamamos de manchas de pele.

Por que aparecem manchas na pele?

Essa produção descontrolada pode ser ativada por vários fatores, por isso é tão comum encontrar pessoas com manchas na pele, pois todos nós estamos expostos a esses fatores.

Os cinco principais fatores causadores de manchas são:

  • exposição solar: a radiação do sol desencadeia uma série de mecanismos na nossa pele que levam ao aparecimento das manchas;
  • gravidez e uso de anticoncepcional: ambos ativam mecanismos muito similares aos que a radiação UV provoca. É comum mulheres que nunca tiveram manchas na pele apresentarem melasmas durante a gravidez;
  • processos inflamatórios: os processos inflamatórios, como acne ou até machucados, ativam a defesa da nossa pele, que produz melanina para se proteger e acaba gerando manchas;
  • estresse: sim, até o estresse é responsável pelo surgimento de manchas na pele. Ele ativa uma substância diferente das anteriores, que leva a esse processo; e
  • poluição: estudos recentes apontam a poluição como superprejudicial para a nossa pele, sendo responsável pelo aparecimento de manchas e do envelhecimento precoce.

Onde as manchas são formadas?

Como falamos anteriormente, as manchas são resultado de uma produção descontrolada da melanina. Essa melanina é produzida em uma célula chamada melanócito, que fica na camada mais profunda da nossa epiderme (para saber mais sobre as camadas da pele e como a nossa pele funciona, clique aqui).

Manchas na pele: onde são formadas

Mas como as manchas chegam à superfície da pele?

O que acontece: o melanócito produz melanina em excesso e, através dos dendritos (essas perninhas que ele tem), transfere a melanina para as células até chegarem à superfície da pele. 

Por que é importante saber isso?

Porque aqui a gente entende que o tratamento das manchas não diz respeito a somente retirá-las da superfície da pele, temos que “controlar” o melanócito, pois ele vai sempre continuar produzindo mais melanina. Por isso, muitos tratamentos parecem que funcionam num primeiro momento, mas depois a mancha na pele acaba voltando. 

Quando tratamos manchas, temos que pensar em várias coisas, mas as principais são:

  • regular a produção de melanina no melanócito para que ele pare de produzir de forma descontrolada esse pigmento;
  • impedir que a melanina já formada chegue à superfície da pele; e
  • remover as células já pigmentadas da superfície da pele.

Como tratar as manchas na pele e por quanto tempo deve ser feito o tratamento?

Você já entendeu que precisa tratar as manchas através das três ações citadas acima, mas como saber se o produto que você está usando faz tudo isso?

Aqui é muito importante você ler os ingredientes que o produto contém. Normalmente, as próprias empresas fornecem uma descrição dos ingredientes ativos (aqueles que realmente vão agir no problema), o que é cada um deles e o que de fato esses ativos fazem. 

Caso prefira, você também pode entrar em contato com a empresa, ou com quem te vendeu o produto, e solicitar uma explicação mais aprofundada (agora que você já sabe tudo isso, fica muito mais fácil de entender).

Por quanto tempo o tratamento deve ser feito?

Vai depender de pessoa para pessoa, e principalmente, do tipo de mancha. Mas basicamente são duas fases: a fase do tratamento e a fase de manutenção.

No tratamento, serão usados mais produtos e com ações bem específicas para reduzir as manchas existentes, impedir que as manchas já produzidas cheguem à superfície e controlar o melanócito. O mínimo recomendado para essa fase é um período de 3 meses.

Na manutenção, depois que as suas manchas reduzirem, você utilizará produtos que vão manter o melanócito controlado para que não volte a produzir as mesmas manchas de antes. Caso você queira ficar longe das manchas, deverá sempre realizar a manutenção uma vez que comece o tratamento. O bom é que para isso existem vários produtos com outras funções, como anti-idade e antioleosidade, que também agem na redução de manchas e que devem se tornar parte da sua rotina de cuidados diária.

Para finalizar, vamos destacar dois pontos importantes:

  • Fique longe de peelings agressivos, que fazem a sua pele descamar. No primeiro momento, a sua pele vai ficar linda, porém se você não tiver muito cuidado depois e não usar produtos adequados, as manchas voltarão e podem retornar ainda mais fortes, já que se trata de algo muito agressivo que ativa o sistema de defesa da pele.
  • Procure sempre por produtos com registro na ANVISA e que tenham passado por testes de eficácia, ou seja, os produtos foram testados em laboratórios credenciados e têm resultados comprovados.

Gostou deste assunto? Conte pra gente nos comentários o que achou e nos envie as suas dúvidas!

Continue acompanhando o nosso blog para mais conteúdos!

Instagram
Facebook
YouTube
Nosso site

A Pele: como funciona

Você já parou para pensar como funciona a sua pele? E já pensou que, ao saber isso, vai entender como os produtos que você usa em sua pele funcionam?

Talvez você se lembre um pouco das aulas de biologia, talvez nem se lembre de ter aprendido isso. De qualquer forma, vamos desmistificar as principais partes da nossa pele para começar a entender todo esse mundo de skincare (skincare = cuidados com a pele).

A pele é formada por três camadas

Como funciona a pele: camadas da pele
As camadas da pele: epiderme, derme e hipoderme.

Epiderme – é a camada mais superficial da pele. Ela é a nossa barreira de proteção contra  o meio externo. Vamos conhecer as principais células e características desta camada mais à frente.

Derme – é a camada intermediária da pele. É ela que dá a firmeza à nossa pele, e ali encontramos as fibras de colágeno e elastina, os folículos pilosos (onde os pelos nascem), os vasos sanguíneos, os linfáticos, as glândulas sudoríparas (do suor) e as glândulas sebáceas (do sebo/oleosidade).

Hipoderme – é a terceira e última camada da pele, formada basicamente por células de gordura que mantêm a temperatura do nosso corpo e nos fornecem energia. Esta camada faz a união das camadas anteriores com os demais órgãos.

Vamos entender como funciona a pele conhecendo mais cada uma dessas camadas.

Como funciona: Epiderme

A epiderme é uma das principais camadas que você precisa entender quando o assunto diz respeito a cuidados essenciais com a pele. Ela é formada por outras cinco camadas menores. Não entraremos em detalhes sobre cada um delas, mas o que você precisa saber é que na parte mais profunda da epiderme novas células estão sempre sendo produzidas através da divisão celular.

Como funciona a pele: as cinco camadas da epiderme

Essas novas células vão “subindo” para a superfície da pele e empurrando as células antigas, mas, à medida que vão chegando à superfície, elas vão “morrendo”. Por isso, a primeira camada da nossa pele é formada por células mortas, que são responsáveis por nos proteger.

Essas células vão sendo eliminadas aos poucos, o que renova a nossa pele. Agora, uma pergunta: você acha que a pele que vê no espelho hoje é a mesma que você vai ver daqui a 30 dias?

Se você respondeu não, acertou! Esse processo, chamado de renovação celular, dura em média 30 dias, por isso a pele que você tinha no mês passado não é a mesma que você tem hoje.

Mas por que estamos dizendo tudo isso?

Você já ouviu falar sobre a esfoliação da pele, certo? Mas entende a importância de esfoliar a sua pele

Nem sempre a nossa pele se renova rapidamente, e isso faz com que ela fique grossa e com aspecto opaco. Além disso, quanto mais grossa é a pele, mais difícil é para os produtos entrarem!

As pequenas esferas presentes nos esfoliantes removem as células mortas da superfície da pele e aceleram a renovação celular que, por consequência, resulta numa pele mais bonita e viçosa. Viu como é importante saber como funciona a nossa pele? Assim entendemos a necessidade de usar alguns tipos de produtos.

Existe mais uma coisa importante que você precisa saber sobre a epiderme: é nela que ficam as células conhecidas como “melanócitos”. Essas células são responsáveis pela produção de  um pigmento chamado “melanina”, que dá cor à nossa pele e também fornece proteção. E o que você realmente precisa saber: essas células, quando descontroladas, é que são responsáveis pelas manchas de pele.

Nesse outro post, você poderá ler mais especificamente sobre como as manchas aparecem. Agora vamos para a derme (tá quase acabando, juro que essas informações são bem importantes para você poder cuidar melhor da sua pele).

Como funciona: Derme

Como já mencionamos antes, a derme dá a firmeza, a sustentação para a nossa pele. E isso acontece por conta de duas proteínas: o colágeno (sim!) e a elastina.

Como funciona a pele: corte de pele com o destaque na derme, apontando as fibras de colágeno, elastina, folículo piloso e glândula sebácea

Normalmente, com o envelhecimento, essas fibras que dão firmeza e sustentação à pele vão enfraquecendo. Por conta disso, a nossa pele vai ficando flácida, e então surgem as rugas. Por isso é que se fala tanto de colágeno e da necessidade de estimular a produção dele para mantermos a pele jovem.

Além dessas duas fibras, também é relevante saber que na derme ficam os folículos pilosos, onde os nossos pelos e cabelos nascem, e junto com eles, as glândulas sebáceas, que produzem o sebo ou a oleosidade da pele.

O sebo é produzido naturalmente e é importante para tornar a nossa pele e os nossos pelos impermeáveis à água, para não deixar a água entrar na pele. Porém, em alguns casos, ele é produzido em excesso, deixando a pele muito oleosa e podendo gerar acne. Portanto, aqui é um dos locais que temos que chegar quando queremos tratar algum desses dois problemas.

Agora vamos falar de gordura e conhecer rapidamente a hipoderme.

Como funciona: Hipoderme

A camada mais profunda da pele, como já mencionamos, é a hipoderme (que, na verdade, não é considerada bem uma camada, tendo a função de conectar a derme aos músculos e ossos).

A hipoderme é composta basicamente por células de gordura, chamadas de adipócitos, que são a nossa reserva de energia. Claro que a hipoderme tem outras funções como a proteção contra choques externos e a regulação da temperatura corporal, mas os adipócitos são o que mais nos interessa no momento.

Essas células têm a capacidade de aumentar muito de tamanho, então quanto mais gordura elas têm para armazenar, mais o seu tamanho aumenta, ou seja, elas estão ligadas ao ganho de peso e à redução de medidas (para quem busca por saúde ou autoestima).

Você deve estar se perguntando: mas se os vasos sanguíneos ficam na derme e se os cosméticos não podem chegar até a corrente sanguínea, como existem produtos que auxiliam na redução de gordura localizada? Essa resposta é dada por uma característica incrível da nossa pele, chamada de comunicação celular!

Até onde os cosméticos de tratamento podem ir?

Nossa coordenadora técnica, Elizete Garcia, gravou um vídeo para você fazendo um resumo sobre as camadas da pele e explicando como é possível os produtos passarem pela barreira de proteção e agirem nos diferentes locais para diferentes necessidades.

Veja abaixo:

Agora você já sabe como funciona a sua pele. Gostou deste conteúdo? Então, compartilhe com quem você acha que também poderia gostar. Ah, e se tiver qualquer dúvida, pode perguntar nos comentários que logo vamos responder!

Quer ler uma explicação mais técnica sobre esse assunto? Acesse esse blog.

Continue acompanhando o nosso blog para mais informações!

Instagram: https://www.instagram.com/extratosdaterra/
Facebook: https://www.facebook.com/extratosdaterra/
Youtube: https://www.youtube.com/user/ExtratosdaTerra
Nosso site: https://extratosdaterra.com.br/

Estrutura e função da pele: explicação técnica

A principal função da pele é proteger o corpo contra os agentes externos do ambiente. Por outro lado, também é um meio de expulsar para fora o que está no interior do corpo e que não nos faz bem. E é por isso que a nossa alimentação influencia muito no estado da pele. 

A pele é um tecido vivo e dinâmico que sofre alterações constantes, dependendo de onde vivemos, do que ingerimos, da quantidade de água que consumimos e também do nosso estado emocional. Ela é a conexão do meio externo com o interior do nosso corpo. 

Todos sabemos o que é a pele, sentimos e tocamos nela diariamente. Mas você sabe do que ela é composta?

Você sabe como de fato a pele funciona e o que realmente ela faz em nosso corpo?

Neste post, vamos esclarecer essas perguntas, mostrar como é a pele no seu interior e a importância das principais estruturas que a compõem.

Estrutura e função da pele

Como funciona a pele: estrutura e camadas da pele

A pele é composta por três camadas que estão em constante renovação, sendo elas: 

  1. A epiderme
  2. A derme 
  3. A hipoderme ou camada subcutânea

Vamos conhecer um pouco mais sobre cada uma delas?

A epiderme: para que serve

A pele: as cinco camadas da epiderme

A epiderme é a camada mais superficial da pele e é onde agem os produtos que aplicamos. Essa camada é dividida em outras cinco camadas: basal, espinhosa, granulosa, lúcida e córnea.

O que difere essas cinco subcamadas são as características das células. De uma maneira mais simples, podemos dizer que a diferença principal entre elas é o estágio de vida das células da pele.

Como assim estágio de vida?

Bem, quando as células estão na primeira camada, elas são novinhas e recém-formadas. À medida que vão subindo para a superfície, elas vão ficando mais velhas, mais achatadas e formando espécies de escamas, até chegar na superfície, quando então vão formar o estrato córneo. Aqui nesse estágio elas já são células mortas, que constituem  a nossa película de proteção. 

Esse estágio de renovação da pele acontece entre 15 e 30 dias, dependendo da idade da pessoa. Ao passo que envelhecemos, esse processo vai ficando mais lento, e é por isso que percebemos a pele envelhecida, com a formação de rugas e de flacidez, que vão aumentando com a idade.

Vamos entender melhor esse ciclo de vida das células da epiderme?

A primeira camada, a mais profunda da epiderme, denomina-se camada basal. É nela que as células “nascem”, ou fisiologicamente falando, onde elas se dividem em um processo de multiplicação celular –, uma célula antiga dá origem a uma nova célula. Essa camada é responsável pela constante renovação da pele. 

Fazendo uma comparação com a nossa vida, esse estágio das células da pele seria como a fase dos bebês.

Na camada basal, existe também uma célula muito importante para a nossa proteção que é o melanócito. Ele é responsável por produzir um pigmento chamado melanina,  responsável por dar cor à pele. A melanina é a proteção natural da pele contra a radiação solar. Ou seja, ela protege as células dos danos provocados pelo sol. 

A segunda camada é a espinhosa, que corresponderia à nossa fase de infância e adolescência, uma fase de pleno desenvolvimento. Aqui as células começam a ficar mais achatadas e mais espalhadas. Nessa camada, acontece um processo de defesa contra agentes estranhos que conseguem penetrar nas camadas mais superficiais. É também na segunda camada que se desenvolvem as dermatites alérgicas de contato. 

A terceira camada é a granulosa, e agora já estamos na vida adulta. Nessa camada, as células já estão bem mais achatadas, e é aqui que são produzidas substâncias que formam a barreira de proteção impermeável da pele. Isso faz com que não percamos a água que está na nossa pele por evaporação e também faz com que a  água que está no exterior não seja absorvida pela pele.

Já imaginou entrar em uma piscina e o seu corpo sugar a água para dentro da pele?

Isso não é possível devido a essa barreira impermeável que a pele forma. 

A quarta camada é a lúcida, e já podemos comparar essa fase com a fase madura da vida, na qual  estamos mais velhinhos e já não temos tanta energia. Isso porque as células dessa camada já não têm mais núcleo e possuem um formato de  escama, sendo envoltas por queratina. Aqui, começa a se formar uma fina camada compacta que faz a proteção da pele e que é chamada de manto hidrolipídico, ou hidratação natural da pele. 

A quinta e última camada é o estrato córneo. Essa é a camada mais superficial, é a que conseguimos ver. Aqui as células já não têm mais vida, estão envoltas em material graxo, ceramidas e queratina, que formam  uma película protetora para que nada que esteja no exterior passe por ela.

De tempos em tempos, as células mais superficiais vão se desprendendo e sendo eliminadas naturalmente, enquanto outras células ocupam o seu lugar, e assim a pele permanece sempre bonita e lisa.

Por outro lado, quando envelhecemos, ou quando o nosso processo de renovação celular não é eficiente, muitas dessas células mortas não se desprendem, vão acumulando e formando uma camada espessa.

Para evitar que isso aconteça é que surgiu a esfoliação, que nada mais é do que facilitar a eliminação dessas células mortas que ficam depositadas na pele e que impedem que os produtos cosméticos aplicados possam ser absorvidos. Entenda mais sobre a importância da esfoliação aqui.  

As outras camadas – derme e hipoderme – constituem a pele por completo. Vamos conhecer um pouco mais cada uma delas? 

Derme: para que serve?

A derme é a camada posicionada logo abaixo da camada basal. Nela encontramos as conhecidas fibras de colágeno e elastina.

Essas fibras têm a função de dar sustentação à nossa pele. Digamos que elas são os pilares da epiderme, são as estruturas que seguram a pele e a mantêm firme e lisa.

Porém, com o passar dos anos, as células que produzem essas fibras vão ficando envelhecidas e já não produzem mais fibra de qualidade sozinhas, quando então começam a aparecer os sinais da idade, tais como rugas e flacidez. 

Outra função da derme é levar os nutrientes para a epiderme, já que nessa camada estão presentes os vasos sanguíneos. 

Também na derme temos o folículo piloso. Essa estrutura é o casulo do nosso pelo, é onde ele nasce e cresce. Esse folículo tem a sua base na derme e continua até a epiderme, dando condições de o pêlo e o cabelo saírem da pele. 

Junto com o folículo, temos outra estrutura importante que é a glândula sebácea. Ela é responsável por produzir o óleo que mantém a pele hidratada. Por outro lado, quando produz uma quantidade muito elevada, provoca o aspecto indesejado da pele oleosa e também o aparecimento da acne.

Hipoderme: para que serve?

A hipoderme não é mais considerada uma camada da pele, isso porque ela fica embaixo da pele, dando sustentação e suporte para toda a derme e a epiderme. 

A hipoderme tem como principal função armazenar energia, regular a temperatura e absorver o impacto. Dessa forma, quando sentimos alguma batida na pele, ela absorve o impacto e impede que os órgãos internos do corpo sejam danificados. 

A pele é um dos órgãos mais importantes para a vida e a proteção do corpo. Por isso, invista um tempinho para cuidar da sua pele, afinal ela é o nosso cartão-postal. 

Gostou deste conteúdo? Então compartilhe com quem você acha que também poderia gostar. Ah, e se tiver qualquer dúvida, pergunte aqui que logo responderemos 😉

Instagram: https://www.instagram.com/extratosdaterra/
Facebook: https://www.facebook.com/extratosdaterra/
Youtube: https://www.youtube.com/ExtratosdaTerra
Nosso site: https://extratosdaterra.com.br/

Acne: o que é e como ocorre

Eu tive acne na adolescência, sofria muito com elas, pois eram doloridas, bastantes inflamadas e por muito tempo me deixaram com a autoestima baixa. Muitas vezes, eu ficava infeliz e nem queria sair de casa. Na época, eu tinha medo de como a minha pele iria ficar, se eu iria ficar com muitas cicatrizes ou manchas. Com o tempo, a época da adolescência passou, e eu achei que ia me livrar delas, já que acreditava que era um problema decorrente dos hormônios dessa fase da vida. 

Para minha triste surpresa, a acne voltou a aparecer por volta dos 30 anos, só que agora ela é um pouco diferente. Antes ela estava no rosto todo, e hoje está mais localizada em algumas regiões do rosto, como queixo, e também no pescoço. 

Eu não queria estar me preocupando com isso agora, pois para mim a acne acontecia quando era jovem e que nesse ponto da vida eu iria me preocupar com outros problemas de pele, como as rugas ou manchas que a acne tinha deixado. Agora estou com todos esses problemas e muitas vezes me sinto desmotivada, porque parece que nada que eu faça deixa a minha pele bonita.”

Relatos como esses são mais comuns do que se imagina, já que mais de 50% das mulheres adultas sofrem com a acne, problema causado principalmente pelas alterações hormonais ao longo da vida.

A Sociedade Brasileira de Dermatologia ressalta que a acne é uma doença e que precisa ser tratada, independentemente da idade da pessoa.

Mas para você entender como tratar a acne, é importante saber como ela é formada e por que aparece, assim fica mais fácil encontrar um tratamento que seja eficaz.

O que é a acne e como se forma na pele?

Acne é uma inflamação que acontece na pele e que é comumente conhecida como espinha. Trata-se de uma inflamação que acontece no folículo piloso e na glândula sebácea. 

O folículo piloso é a estrutura onde o pelo nasce. Esse folículo possui ligação direta com a glândula sebácea, que é responsável por produzir o sebo ou a oleosidade que forma o manto de proteção da pele.   

Existem diferentes tipos de acne, mas todas elas se formam quando ocorre um excesso de produção de sebo. Nos casos da acne inflamada, o sebo entra em contato com os microorganismos, como por exemplo o Propionibacterium acnes e outros que estão presentes na pele.

Essas bactérias provocam uma espécie de irritação da pele e, em consequência, o corpo desenvolve um processo inflamatório para tentar expulsar esses microorganismos, formando então as espinhas. 

Quais são os tipos de acne?

Os tipos mais comuns são a acne não inflamatória e a acne inflamatória. Elas se diferenciam pela gravidade das lesões e podem ser tratadas com cosméticos de tratamento. 

Acne não inflamatória

A acne não inflamatória é mais conhecida pelos cravos ou comedões, que podem ser vistos como pequenos pontos pretos ou brancos na pele.

acne não inflamatória

Eles aparecem pelo excesso de sebo produzido pela glândula sebácea e pela obstrução dos folículos onde o pelo nasce. Ou seja, a oleosidade produzida na glândula sebácea não consegue sair e fica presa nos poros, formando assim os cravos.

Alguns fatores que favorecem a obstrução do folículo piloso são:

  • Produção descontrolada de sebo associada ao excesso de células mortas, que formam uma tampa na pele e impedem a passagem da oleosidade. 
  • Poluição
  • Uso de cosméticos não adequados ou comedogênicos, ou seja, que formam acne

A acne não inflamatória é a menos grave, pois não possui um processo inflamatório. Existem dois tipos: o aberto e o fechado. 

Os cravos abertos são aqueles em que se percebe um ponto escuro na pele. Isso acontece porque, como o nome diz, ele está aberto, em contato com o ar. Por esse motivo, o sebo oxida e fica preto.

Já os cravos fechados se apresentam em forma de pontos brancos, mas sem inflamação. Nesse caso, o sebo fica embaixo da pele devido à obstrução do folículo piloso. Esse tipo de cravo pode se agravar quando existe um desequilíbrio de bactérias da pele, causando uma inflamação e, como resultado, a formação de espinhas. 

Acne inflamatória

acne inflamatória

A acne inflamatória é também conhecida como espinha. Ela é um agravamento dos comedões fechados, pois acontece quando o excesso de sebo que fica preso no folículo entra em contato com bactérias presentes na pele.

Essas bactérias se alimentam desse sebo e provocam um processo inflamatório, formando as espinhas. 

As espinhas são acompanhadas de outras reações como vermelhidão, inchaço no local e, em casos mais graves, deixam o local dolorido e podem causar cicatrizes na pele. 

Diferença entre as acnes adulta e adolescente

Apesar dessa diferença ainda não ser totalmente definida, o que se percebe é que o principal destaque entre a acne na adolescência e na vida adulta são a predominância do tipo de acne e as regiões onde o problema surge. 

acne na adolescência

Na adolescência, não há uma região específica, podendo a acne estar distribuída por toda a face e também nas costas (geralmente nos homens).

O tipo mais comum na adolescência é a acne inflamada, as famosas espinhas. 

Na acne adulta, é comum o aparecimento de grandes comedões abertos e fechados nas seguintes regiões:

acne adulta
  • Nariz
  • Ao redor da boca
  • Queixo 
  • Pescoço e contorno do rosto, próximo ao pescoço

O que causa espinhas no rosto depois dos 30 anos?

Na fase adulta é mais comum ocorrer acne em mulheres e raramente em homens. A causa das espinhas pode estar relacionada ao estresse e ao período pré-menstrual nas mulheres, o que agrava o quadro. 

A acne que persiste da adolescência à vida adulta é mais comum do que as que só aparecem na fase adulta. Nesse último caso, a causa pode estar relacionada ao estresse.

A acne adulta começa a diminuir com a idade acima dos 40 anos, o que provavelmente está relacionado ao período da menopausa. Por outro lado, as sequelas e cicatrizes deixadas não diminuem com o tempo. 

Outra fator que pode levar ao aparecimento da acne é a poluição, já que estamos expostos em média a 500 agentes tóxicos por dia. Essas toxinas permeiam a pele, podendo provocar irritação na camada córnea e alteração da barreira de proteção da pele, o que leva à obstrução dos poros e dos folículos pilosos, ao estresse oxidativo e ao estímulo de substâncias que desencadeiam o processo inflamatório no local, formando as espinhas.  

O que fazer para evitar a acne?

A higienização adequada da pele é a principal prevenção da acne, utilizando sempre produtos específicos para o seu tipo de pele e também higienizantes que desintoxiquem a pele da poluição. 

Outra forma de se evitar a obstrução dos poros e, em consequência, a formação de espinhas é fazer uma esfoliação da pele uma vez na semana, pois, dessa forma, eliminam-se as células mortas e evita-se o tamponamento dos folículos pilosos e dos poros. Por outro lado, se você já tiver acne, evite esfoliação física, pois esse processo pode irritar ainda mais a pele e piorar o quadro. Opte por esfoliantes menos abrasivos, como os enzimáticos ou produtos com leve concentração de ácidos. 

Agora, se você já possui acne, procure produtos específicos para pele acneica que tenham registro da ANVISA e testes de eficácia comprovados no controle da acne. É muito importante fugir de receitas caseiras, pois muitas vezes elas podem agravar ainda mais o quadro e deixar sequelas como manchas e cicatrizes.  

Gostou deste assunto? Conte pra gente nos comentários o que achou e envie suas dúvidas!

Continue acompanhando o nosso blog para mais conteúdos!

COMO CUIDAR DA PELE: 3 PASSOS DIÁRIOS PARA TER A PELE SEMPRE BONITA

Se você tem dúvida sobre como cuidar da pele, vamos esclarecer quais são os três passos diários que você precisa inserir na sua rotina para ter a pele sempre bonita.

Começar a cuidar da pele pode gerar muitas dúvidas, mas é bom começar com poucos passos, assim você vai pegando o hábito e gostando desse tempo dedicado a si mesma. 

Para começar a cuidar da pele, inicie com o básico, fazendo a limpeza adequada, hidratando o rosto e protegendo a pele do sol. Acredite, esse já é um grande passo para deixar a pele saudável.

Além do que, quanto antes você começar a cuidar da sua pele, mais tarde os sinais do envelhecimento vão aparecer.

E sabe o que é mais legal? Que essa rotina pode ser simples e rápida, basta usar os produtos adequados para o seu tipo de pele.

Se você está disposta a começar a cuidar da pele da forma correta, comece entendendo por que esses três passos são fundamentais.

Como cuidar da pele: o primeiro passo é limpar

Limpar a pele de forma adequada remove todas as impurezas que são acumuladas durante o dia. 

Esse processo de higienização retira o excesso de oleosidade, a poluição do meio ambiente e os resíduos de produtos como maquiagem que ficam depositados na pele. 

A limpeza facilita a oxigenação das células e também aumenta a eficácia dos hidratantes ou produtos de tratamento que serão usados depois.

Além disso, uma limpeza adequada e com os produtos certos deixa a pele mais saudável e ainda mantém a maquiagem fixa por mais tempo.

Como limpar a pele de forma adequada

Antes de mais nada, se estiver usando maquiagem, retire-a com um demaquilante. 

Quem aprecia maquiagem sabe a importância que ela tem no seu dia a dia e não vive sem. Porém, para manter a pele saudável, é de extrema importância utilizar demaquilantes que retirem todo os resíduos de base ou pó no fim do dia. Esse pequeno gesto evita a obstrução dos poros e a formação de acne derivada de produtos cosméticos.

Muitas pessoas pulam esse passo, achando que o sabonete é suficiente. Mas não é, pois esses produtos de maquiagem normalmente precisam de algo específico para serem retirados completamente da pele.

Quer comprovar? Passe um algodão umedecido no rosto após tirar a maquiagem sem demaquilante. Você vai se surpreender!

limpar a pele

Depois lave o rosto com produtos adequados ao seu tipo de pele utilizando um sabonete que seja adequado para as necessidades do seu rosto.

O sabonete removerá qualquer resíduo que ainda possa ter ficado na pele, limpando-a de forma completa. 

Além de higienizar, alguns sabonetes têm outras funções secundárias que normalmente estão relacionadas ao tipo de pele para os quais esses produtos são indicados. 

Como cuidar da pele: o segundo passo é a hidratação

Para cuidar da pele de forma correta, após limpar o rosto o passo seguinte é hidratar.

Essa ação previne o envelhecimento, mantém a pele saudável e com a barreira de proteção fortalecida contra os agentes externos, como por exemplo, a poluição e mudanças de temperatura. 

A pele bem hidratada evita a permeação de agentes poluentes que estão no ar e que podem provocar vários outros problemas como acnes, manchas e rugas. 

E todos os tipos de pele precisam ser hidratados, sem exceção. O hidratante diário pode ser um creme, gel-creme, sérum ou outro produto que você já use, ou pode usar, para tratar a sua pele ao mesmo tempo que hidrata. Lembre-se sempre de buscar um produto indicado para o seu tipo de pele.  

Ao contrário do que muitas pessoas imaginam, a pele oleosa também precisa ser hidratada.

Isso mesmo, peles oleosas têm uma produção excessiva de óleo, mas só isso não garante a hidratação. Por isso, busque sempre um hidratante específico para peles oleosas.

E pior, quando as pessoas têm pele oleosa costumam lavar muitas vezes o rosto, deixando a pele desidratada, e isso faz com que mais óleo seja produzido para equilibrar a barreira de proteção, virando um ciclo vicioso.

Como cuidar da pele: o terceiro passo é a proteção solar

O último passo dessa rotina diária de cuidados com a pele é a proteção solar. Ela é fundamental para manter a pele saudável e sempre bonita. 

Isso porque os raios solares são os principais causadores de problemas na pele como manchas, envelhecimento, perda da elasticidade e do colágeno e até casos mais graves como o câncer de pele. E os efeitos são cumulativos na pele, por exemplo, o sol em excesso e sem proteção ao qual  você fica exposto na adolescência reflete em como será a sua pele na vida adulta.  

Esses problemas acontecem devido aos dois tipos de radiação que são emitidos pelo sol, UVA e UVB.

A radiação UVA é constante durante todo o dia e penetra de forma mais profunda na pele. É a principal responsável pelo envelhecimento precoce, causando enfraquecimento das fibras de colágeno e elastina, favorecendo o aparecimento de rugas, linhas de expressão, flacidez e manchas antes do tempo. Esses raios podem também provocar o câncer de pele.

Por outro lado, a radiação UVB penetra mais superficialmente na pele, é responsável pelas queimaduras solares e também pode causar alterações nas células que levam ao câncer de pele.

Como escolher o protetor solar correto?

Primeiramente, confira se o protetor possui fator de proteção solar contra os raios UVA e UVB. Você pode identificar isso sempre na frente da embalagem, na qual aparecem  dois números. O mais conhecido, e normalmente com mais destaque, é o FPS, que é a proteção contra os raios UVB. O outro é o FPUVA, que identifica a proteção contra os raios UVA.

Outro detalhe importante é que, pela legislação da ANVISA, o FPUVA sempre deve ser no mínimo ⅓ do FPS, e quanto maior, melhor. Ou seja, se o FPS é 50, dividimos esse valor por 3 e sabemos que o FPUVA deve ser no mínimo 16,66. É bom sempre conferir essa informação.

E na hora de escolher um protetor, pense nas necessidades de proteção da sua pele. Por exemplo, peles mais claras, por terem menos melanina (pigmento que dá cor e protege a pele) possuem uma proteção natural menor do que peles escuras, por isso o recomendado é utilizar protetores de FPS mais alto e de no mínimo 30. Os dermatologistas costumam recomendar para esse tipo de pele um FPS 50 ou maior. 

proteger a pele do sol

Peles escuras são naturalmente mais resistentes aos raios UVB e normalmente não ficam vermelhas após a exposição ao sol. Mas isso não significa que não precisam de proteção, pois vale lembrar que a radiação UVA penetra profundamente na pele e causa inúmeras alterações nas células. Portanto, a proteção mínima recomendada para peles mais escuras é de FPS 15, porém o ideal é fazer uso do FPS 30, de forma a garantir uma proteção mais completa da pele. 

Seguindo esses três passos, você vai manter a pele cuidada e saudável, retardando o aparecimento dos sinais da idade. 

E lembre-se, para cada pele existe uma solução específica.