Arquivo da tag: manchas

Desmistificando os peelings

Os chamados peelings são produtos que contêm em sua composição ácidos ou outros ingredientes que promovem a renovação celular. Em outras palavras, eles têm o poder de retirar as células mortas que estão depositadas na superfície da pele, promovendo o afinamento e o clareamento dela, além de deixar um aspecto mais liso e uniforme. 

Os peelings químicos ficaram famosos pelos resultados rápidos dos peelings do tipo profundos que descamam e, no curto prazo, deixam a pele como a de um bebê. Por outro lado, esses peelings podem causar efeito rebote, deixando manchas na pele depois de alguns meses se a pessoa não for cuidadosa após a realização do procedimento, ou ainda, se a pele tiver tendência ao desenvolvimento de melasma.

Por que nem todos os peelings descamam?

Porque nem todos os peelings são iguais. Além de vários tipos de ácidos com ações distintas, também existem diferentes níveis em que esses produtos conseguem agir na pele.

Eles se classificam conforme o nível de profundidade atingido pelos ácidos. De forma geral, podemos dividir os peelings em dois principais: os de ação superficial e os de ação profunda. 

As principais diferenças entre esses dois tipos são a concentração usada de ácidos para o procedimento, o pH que os torna mais ou menos agressivos e a forma como agem na pele. 

Ácidos de ação superficial

Esses produtos removem as células que ficam na superfície, aquelas que já não trazem mais benefícios e que deixam a pele grossa e manchada. Também penetram nas camadas abaixo de forma mais lenta, trazendo outros benefícios que vão depender de cada ácido, porém sem causar irritação e inflamação. 

ação dos peelings químicos na pele

Eles removem as células mortas como se elas fossem escamas e não prejudicam a barreira de proteção da pele. 

Ao mesmo tempo, ao serem removidas da camada superior, as células que ficam nas camadas mais profundas recebem uma mensagem indicando que precisam produzir novas células, e com isso se forma o que é chamado de renovação celular. Abaixo há uma ilustração que mostra como acontece a renovação celular dentro da pele e como as novas células chegam à superfície.

A concentração de ácidos permitida para esses procedimentos é de até 10% e um pH igual ou acima de 3,5, podendo ter variações dependendo do tipo de ácido utilizado na formulação. 

Devido ao fato de esses peelings serem mais seguros, todos os tipos e fototipos de pele podem receber o tratamento. Porém, uma avaliação de um profissional de estética é de suma importância para a escolha dos melhores ácidos de acordo com as necessidades de cada pele. 

Ácidos de ação média e profunda

Realizados por médicos, são mais agressivos e removem as células da pele além da camada superficial, destruindo também as células sadias da epiderme, podendo atingir até a derme. Como consequência, o corpo responde com um processo inflamatório para reconstrução das camadas que foram removidas. Justamente por essa reconstrução rápida, no curto prazo a pele fica livre de manchas e renovada.

Por outro lado, após a aplicação do peeling, a pele fica desprotegida e sem sua camada de proteção ativa. Ao contrário dos peelings superficiais, nesse procedimento é necessário ter alguns cuidados após a realização do peeling, que exige que a pele fique um tempo sem pegar sol.

Como a pele fica desprotegida, o uso de ácidos com ação profunda é usualmente feito no inverno, quando a incidência dos raios solares é menor, o que diminui o risco de causar manchas após o procedimento. Antigamente era muito comum fazer esse tipo de tratamento, e é por esse motivo que o inverno ficou sendo conhecido como a estação dos peelings.

Em peeling médio e profundo as concentrações de ácidos são maiores, e geralmente esses tipos de peeling possuem um pH abaixo de 3,0, o que os torna mais descamativos e irritativos para a pele. Em contrapartida, não é em toda pele que se recomenda fazer esse tipo de procedimento, sendo de extrema importância a avaliação de um profissional qualificado e treinado para realizar o tratamento. 

Desmistificando os peelings superficiais

No passado, acreditava-se que os peelings superficiais não eram eficientes. E diga-se de passagem que antigamente eles poderiam não ser mesmo. Mas com as novas tecnologias de permeação e com ingredientes cada vez mais biologicamente ativos, hoje é possível ter excelentes resultados com os peelings superficiais. E o melhor é que se pode aplicar esses peelings durante o ano inteiro sem riscos de provocar manchas na pele. 

É sobre esse tipo de peeling químico que vamos falar na sequência. Selecionamos 4 dicas dos peelings mais modernos disponíveis no site da Extratos da Terra e suas indicações. 

Peeling para manchas e melasma

Uma das premissas no tratamento das manchas, e principalmente do melasma, é evitar a agressão para não estimular a produção de melanina. 

Dessa forma, os peelings clareadores precisam remover as células manchadas, mas ao mesmo tempo têm que evitar uma nova mancha.

Nesse sentido, um dos ácidos mais modernos e eficientes é o ácido tranexâmico. Ele possui duas funções importantes: 

1 – Em primeiro lugar, evita a formação da melanina (pigmento que causa a mancha) por inibir a ação de fatores de crescimento e proteínas que ativam a tirosinase, que é a principal enzima que forma esse pigmento.

2 – Em segundo lugar, evita a transferência do pigmento já formado para as células, ou seja, impede que as células manche novamente. 

Outro ácido importante no tratamento de manchas é o mandélico. Ele age na retirada das células já manchadas da pele, localizadas nas camadas mais superficiais. Com isso, estimula também a renovação celular. 

Dessa forma, pode-se perceber que o ácido mandélico e o tranexâmico se complementam e formam uma combinação perfeita nos tratamentos clareadores. Em outras palavras, o ácido mandélico estimula a troca das células com manchas escuras por novas células que o ácido tranexâmico evitou que fossem manchadas no processo de renovação celular. 

O ácido mandélico também penetra lentamente na pele e auxilia o tranexâmico no controle da produção de melanina. Dessa forma, evita a produção de pigmentos em excesso que causam o escurecimento localizado na pele. 

Tranex Peel

A combinação desses dois ácidos está presente no Tranex Peel, que contém 4% de ácido tranexâmico e 6% de ácido mandélico. Além dos ácidos, o Tranex Peel possui os ingredientes biolumitá® e ferula foetida. Esses últimos ingredientes agem em outros mecanismos para evitar a ativação da tirosinase, diretamente envolvida na produção do pigmento que causa as manchas. 

Um dos peeling mais eficientes para manchas
Tranex Peel

O Tranex Peel pode ser usado no tratamento do melasma e em todos os tipos e fototipos de pele, pois tem pH entre 4 e 5, o que não causa irritação nem desconfortos na hora da aplicação.

Peeling para acne

No tratamento da acne é necessário que os ácidos diminuam a queratinização das células e a espessura da pele. Isso porque esse acúmulo de células mortas e de sebo faz o tamponamento dos poros, criando um ambiente perfeito para desencadear o processo inflamatório característico da acne.

Um dos principais ácidos para o tratamento da acne é o salicílico. O ácido salicílico é um esfoliante que age nas camadas mais superficiais da pele, facilitando a remoção das células mortas e promovendo a limpeza dos poros. Além disso, ele controla a oleosidade excessiva e ajuda no controle de bactérias envolvidas no processo inflamatório da acne. É um ácido que age em vários aspectos que levam à formação das espinhas.

Do mesmo modo, o ácido glicólico também atua como esfoliante, diminuindo a espessura da camada mais superficial da pele. Além disso, remove o tampão de queratina e sebo que se forma sobre a glândula sebácea que entope os poros, causando os cravos e as espinhas. O ácido glicólico também estimula a produção de colágeno e a renovação celular, evitando as cicatrizes da acne e mantendo a pele uniforme. 

Outro ácido com ótimo resultado no tratamento da acne é o mandélico já citado, que controla a produção de pigmento, sendo bem importante no tratamento da acne para evitar as manchas pós-inflamatórias. Mas além disso, o ácido mandélico também auxilia no controle da oleosidade, que é um das principais causas do aparecimento da acne.

Peeling Secativo da Extratos da Terra

Reúne em um só produtos esses 3 ácidos mais o acneol. Esse último é um blend de ingredientes que agem de forma global e em diversos mecanismos para controle da acne. 

peeling secativo para acne

As concentrações de ácidos no Peeling Secativo são 5% de ácido mandélico, 3% de ácido glicólico e 2% de ácido salicílico no pH entre 3,80 a 4,5, sendo possível usar em todos os tipos e fototipos de pele. 

Peeling anti-idade

Peles envelhecidas têm uma combinação de alterações que levam ao aparecimento das linhas de expressão, rugas e manchas na pele. Por isso, um peeling para o tratamento anti-idade precisa agir em todos esses aspectos.

As manchas estão presente na pele envelhecida porque todo o sol que você está exposto durante a vida, vai refletir em alterações na pele, deixando manchas marrom e a coloração não uniforme. Outra alteração na tonalidade de peles envelhecidas é a palidez devido a redução da taxa de renovação celular.

Um dos ácidos mais eficientes para o tratamento anti-idade é o mandélico, já citado anteriormente. O ácido mandélico age através de dois estímulos: o físico, aumentando a taxa de renovação da pele, que fica reduzida com a idade, e o químico, autorregulando a produção de melanina, diminuindo assim as manchas da idade e as alterações solares.

Por acelerar a renovação celular, esse ácido melhora a textura da pele, diminuindo as linhas finas. Seu efeito é gradativo, melhorando a qualidade da pele, deixando-a mais iluminada e mais uniforme. Outro fato interessante é que o ácido mandélico provoca menos irritação na pele, sendo possível usar em todos os tipos de pele nos tratamento anti-idade.

Mandelic Peel

O Mandelic Peel possui 10% de ácido mandélico, sendo eficaz no tratamento anti-idade e pode inclusive ser usado em peles envelhecidas que também apresentam melasma, sem risco de dar efeito rebote.

Além disso, o Mandelic Peel também é recomendado para a preparação da pele em tratamentos com laser e no tratamento pós-laser. Como resultado tem a diminuição da incidência de manchas após o procedimento.

No preparo da pele para o laser, deve-se usar o ácido de 2 a 4 semanas antes da aplicação do laser e após a reepitelização. Quando usado para o pré e o pós-operatório, a inflamação e a hiperpigmentação raramente ocorrem, o que se deve ao seu efeito bactericida e cicatrizante. 

Peeling para estrias

Antes de mais nada, os peelings não se restringem apenas ao rosto. Eles também são ideais para o corpo, como, por exemplo, no tratamento de estrias

O peeling para estria precisa ter ação principal de renovação celular, de modo a estimular o preenchimento da pele no local da cicatriz. Somado a isso, deve agir na coloração para que a pele fique com tom uniforme e as estrias fiquem imperceptíveis. 

Nesse conceito, os ácidos que mais se adaptam ao tratamento de estrias são o ácido hialurônico, o ácido mandélico e o ácido lático. 

Como já vimos, o mandélico trabalha na uniformização da cor e por isso é muito importante para deixar a cor da estria no mesmo tom do resto da pele. O ácido lático é um excelente renovador celular, pois estimula a produção de novas células para o preenchimento da cicatriz. Além disso, tem excelentes propriedades hidratantes, essenciais para evitar um novo desgaste das fibras de colágeno no local das estrias. 

O ácido hialurônico não é classificado como um peeling químico. Mas tem excelentes resultados no preenchimento da pele e na renovação celular, uniformizando o relevo das estrias. Além do mais, é um hidratante biológico que evita a formação de novas estrias.

A combinação de 5% de ácido mandélico e de 5% de ácido lático está presente no Sérum de Renovação Celular. Ele ainda conta com 2% de ácido hialurônico, que tem efeito preenchedor e hidratante. Além disso, por não ser considerado um peeling químico, o ácido hialurônico não tem restrição de uso ou de porcentagens.

peeling para estrias

Esse peeling químico é específico para ser aplicado pontualmente nas estrias para que se obtenha esse efeito preenchedor na cicatriz e uniformizador da pele. 

Combinação de peelings com a gluconolactona

Um dos peelings mais modernos e versáteis é a gluconolactona, um poli-hidroxiácido de quarta geração obtido pela oxidação da glucose do milho. É um excelente ativo para o tratamento de peles fotoenvelhecidas, sensíveis, com acne, dermatites ou outros problemas que deixam a pele irritada e ressecada. 

Além de estimular a renovação celular, a gluconolactona também tem a capacidade de armazenar água, sendo, portanto, um esfoliante que não resseca a pele. Nos tratamentos anti-idade ou de prevenção ao envelhecimento, o ingrediente melhora a textura da pele, uniformiza a coloração, diminui rugas e linhas de expressão. Além disso, melhora também a firmeza em todos os fototipos. 

A gluconolactona é um componente que já possuímos na pele, e sua molécula promove um efeito esfoliante comparado ao do ácido glicólico. Porém não causa nenhum desconforto em peles sensíveis. Ideal para todos os fototipos e não apresenta fotossensibilidade na pele, podendo ser usada com tranquilidade em todas as estações do ano. 

Quais outros tratamentos a gluconolactona é bem vinda?

Devido às suas características, também pode-se usar em tratamentos de áreas sensíveis como a região dos olhos e lábios. Além disso, pode compor tratamentos antes e depois de procedimentos como laser e microdermoabrasão.

Também tem efeito comprovado para reduzir a irritação da pele por outros componentes ou para o tratamento de peles que já se apresentam irritadas e inflamadas. Dessa forma, age como um ingrediente reconstrutor da barreira de proteção e um inibidor de mediadores de inflamação como o IL-1 e o PGE-2.

Em tratamentos de acne, a gluconolactona é capaz de modificar a queratinização das células, prevenindo os comedões. Além disso, tratar a acne pelo efeito anti-inflamatório e anti-irritante.

A gluconolactona também possui efeitos positivos no tratamento de peles fotoenvelhecidas. Neste caso diminui não só as rugas e as linhas de expressão, mas também uniformizando a pele. 

Devido ao fato de a sua molécula possuir várias hidroxilas, a gluconolactona atrai água para a sua estrutura, sendo, portanto, um hidratante biológico. Também por seu tamanho ser maior que o do ácido glicólico, penetra mais lentamente na pele, não causando desconforto na hora da aplicação. 

Um peeling que possui 10% de gluconolactona em um pH entre 3,8 a 4,5 é o Hydra Peel.

Um dos peeling mais multifuncionais é o hydra Peel

Esse peeling é o mais indicado para peles sensíveis, e como ele tem diversas ações, pode-se combinar com qualquer tratamento, indo desde uma hidratação até o tratamento de melasma e acne. Inclusive pode ser associado aos outros peelings já mencionados e, de preferência, ser usado depois deles devido aos efeitos anti-irritantes e hidratantes que ocasionam. 

Quer saber como adquirir ou saber mais sobre cada um desses peelings da Extratos da Terra? Confira nos links abaixo:

peelings quimicos
peelings quimicos
peelings quimicos
peelings quimicos

Ativos clareadores X despigmentantes

Você sabe a diferença entre ativos clareadores e despigmentantes?

Há quem diga que ativos despigmentantes são os ingredientes que retiram a mancha escura da pele e os clareadores são os que inibem a formação dessas manchas. Entretanto, quando se busca uma definição clara entre esses dois termos, a conclusão é que não existe diferença. 

Porém, a Anvisa determina, no Parecer Técnico Catec nº 08/2001, a proibição do uso do termo despigmentantes em cosméticos. Por isso, em produtos de uso tópico, como os dermocosméticos mais atuais, não é comum encontrar o termo despigmentantes, mas sim ativos clareadores

Caso você encontre um cosmético que diz ser um despigmentante, esse produto não está cumprindo a regulamentação da Anvisa.

Diferentes mecanismos dos ativos clareadores 

Há diversos ativos clareadores no mercado que agem de formas distintas para remover ou inibir a formação de manchas escuras na pele. 

Existem, por exemplo, os ingredientes que agem antes da formação das manchas, inibindo a produção da melanina, que, por sua vez, pode ocorrer por diferentes mecanismos. Esses ingredientes podem agir tanto de forma mais superficial, inibindo ativadores da melanogênese, ou mais profunda, com ação direta na tirosinase. 

Do mesmo modo, existem os ativos clareadores que impedem a transferência e o transporte do pigmento já formado nos melanócitos para as células, inibindo assim a pigmentação da pele.

E por último, tem os que agem estimulando a troca de células já pigmentadas por outras sem as manchas. Normalmente esses ingredientes possuem uma ação mais superficial, estimulando a renovação celular e proporcionando efeito iluminador.

Neste post, vamos falar um pouco sobre os ingredientes usados em dermocosméticos que agem nesses diferentes mecanismos. Para ficar mais fácil de entender, separamos os ativos pela sua ação principal, que pode ser a inibição da formação da melanina, o bloqueio de transporte ou o clareamento da pele já manchada. Mas vale lembrar que muitos ativos clareadores têm ação em mais de um gatilho, podendo inibir a formação da melanina e, ao mesmo tempo, bloquear o seu transporte. Aqui os ativos estão separados apenas para facilitar o entendimento. 

Ingredientes inibidores da formação de melanina

Na pele, existem diversos mecanismos que ativam a produção de melanina, e falamos sobre eles no post “Manchas de pele: saiba como são formadas”. Você inclusive vai encontrar um fluxograma com os principais gatilhos e o caminho fisiológico que leva à ativação da tirosinase. É bem importante entender esses gatilhos para escolher os produtos usados nos tratamentos clareadores. 

Agora vamos compreender como agem os principais e mais modernos ingredientes que inibem a formação das manchas escuras na pele. 

Nano alfa-arbutin

O alfa-arbutin inibe a atividade da enzima tirosinase por competição direta com o seu principal substrato, a tirosina. A formação da melanina funciona assim: a tirosina se liga à enzima tirosinase, dando início ao processo de melanogênese, que nada mais é do que a formação do pigmento escuro que forma as manchas. 

Inicio do processo de melanogenese
Início do processo de melanogênese

Esse processo acontece em todos os tipos de manchas escuras na pele, sejam elas melasma, manchas de sol, pós-inflamatórias ou senis. Portanto, em um tratamento clareador é essencial bloquear a tirosinase.

Então como o alfa-arbutin age? Ele tem uma estrutura bem similar à da tirosina e por isso “engana” a tirosinase e se liga a ela. Mas agora, ao contrário do que acontece com a tirosina, o gatilho para a formação da melanina não ocorre, e o pigmento não é formado por esse caminho.

inicio do processo de formação das manchas com o ativo alfa-arbutin
Ação do alfa-arbutin na inibição da tirosinase

Um detalhe importante do alfa-arbutin é que ele não possui afinidade com a camada de barreira da pele e para que consiga ter essa ação, ele precisa chegar à camada mais profunda da epiderme onde a melanina é formada.

Para resolver esse problema de permeação é que foi criado o nano alfa-arbutin com muito mais eficiência clareadora. Nesse caso, o ingrediente é colocado dentro de uma cápsula bem pequena, que tem afinidade com a pele, levando o ativo clareador até o melanócito, local onde ele se liga à tirosinase. 

Ácido tranexâmico

O ácido tranexâmico é um dos ativos que agem tanto na inibição da formação da mancha quanto no bloqueio do transporte da melanina já formada para as células. 

Talvez a ação mais importante do ativo seja inibir a formação de melanina, já que ele faz isso por duas vias. A primeira é bloqueando a proteína plasmina, presente na epiderme. Essa proteína ativa a síntese de melanina por iniciar a cascata inflamatória e estimular a atividade da tirosinase. A segunda é regulando o fator MITF, considerado a proteína-chave que controla a melanogênese, que, por sua vez, ativa a tirosinase. Portanto, o ácido tranexâmico age na inibição da atividade da tirosinase.

Por outro lado, esse ácido também evita a transferência da melanina já produzida para as células, passo que promove a pigmentação escura da epiderme. Portanto, o ingrediente clareador também bloqueia o transporte de pigmento para a pele. 

Além disso, o ácido tranexâmico promove uma detoxificação celular, degradando proteínas e resíduos inúteis para as células, o que reforça o sistema de defesa e rejuvenesce a pele.

Neurolight

O neurolight age no controle de hipercromias por dois mecanismos inovadores: inibição da síntese de melanina desencadeada pelo estresse celular que a pele sofre e inibição do transporte da melanina dos dendritos para as células da pele. 

Nessa primeira condição, o mensageiro POMC é ativado e gera o hormônio estimulante de melanócito, o alfa-MSH, que inicia a síntese de melanina. Dessa forma, o ativo age diminuindo as hipercromias derivadas desse processo de estresse, tais como s pós-inflamatórias, pós-exposição solar excessiva e melasma (já que o alfa-MSH desempenha papel-chave na hiperpigmentação de peles com melasma). 

No segundo mecanismo de ação, a inibição do transporte da melanina dos dendritos para as células da pele interrompe a comunicação que faz com que os melanócitos iniciem a transferência do pigmento. 

Ativos clareadores que diminuem a ação dos radicais livres

Radicais livres ou espécies reativas de oxigênio são um dos fatores que levam à síntese de melanina e à hiperpigmentação.

Por isso, aumentar a atividade antioxidante evita que vários tipos de sinalizadores e mensageiros iniciem o processo de formação das manchas.

Alguns exemplos de ingredientes que inibem os radicais livres ou aumentam o potencial antioxidante da pele são:

– Ferula Foetida: o mecanismo de ação antioxidante do ácido ferúlico deve-se à presença de um ácido fitoquímico, que, reagindo com a radiação UV, aumenta a atividade antioxidante

– Nano resveratrol: tem potente ação antioxidante, neutralizando a ação dos radicais livres e dos danos oxidativos que agridem a pele

– Extrato de abacaxi: rico em vitaminas do complexo B, A e C, além de flavonoides que têm ação clareadora e iluminadora da pele devido à sua ação antioxidante e enzimática.

– Vitamina E: melhora a hidratação da camada córnea, previne a formação de radicais livres e aumenta o fator de proteção solar quando associada a filtros, impedindo os danos causados na pele.

– Vitamina C: poderoso antioxidante que impede a produção de radicais livres, principalmente os derivados da exposição à radiação solar e que desencadeiam a melanogênese. O ativo equilibra o nível antioxidante da pele e também evita danos às células. 

Ativos clareadores que inibem o transporte de pigmento

Depois que a melanina é formada, ela é direcionada para os dendritos no melanócito, que são como bracinhos que se conectam com as células da pele. É como se os dendritos abraçassem as células que estão perto deles. Em seguida, o melanócito  libera a melanina. Dessa forma, o transporte da melanina do melanócito para as células precisa de uma ponte, que são os dendritos. 

formação das manchas por melanócitos
Imagem do material publicitário da Chemyunion LTDA

Dois ativos clareadores que impedem essa transferência do pigmento estão listados aqui embaixo. Além deles, o neurolight e o ácido tranexâmico também agem no bloqueio do transporte do pigmento.

Niacinamida

A niacinamida atua diretamente no clareamento da pele por inibir a transferência de melanossomas (estruturas que carregam a melanina) para as células. Essa função é essencial, pois é um dos principais mecanismos envolvidos na pigmentação cutânea e na formação das manchas escuras na pele.

A niacinamida não só tem efeito iluminador e uniformiza o tom de pele como também melhora a sua aparência geral, estimulando a produção de colágeno e rejuvenescendo a pele, já que o processo de envelhecimento também está relacionado ao aparecimento de marcas senis e ao amarelamento do tom de pele devido à glicação, que afeta proteínas como o colágeno ou a elastina. Pelas multifunções da niacinamida, ela tem resultados expressivos em marcas senis. 

Além disso, o ingrediente fortalece a barreira de proteção da pele, aumentando a hidratação e o reparo fisiológico das células danificadas por efeitos externos como poluentes, radiação UV e luz azul.

Biolumitá

Esse ingrediente clareador trabalha principalmente no bloqueio do transporte de melanina para as células, mas também inibe a formação da melanina. Afinal, as duas coisas estão conectadas. 

O Biolumitá diminui o transporte de melanina dos melanócitos para as células porque reduz a síntese do peptídeo chamado endotelina-1, que fica nas camadas da epiderme e é produzido em resposta  à radiação UV. Esse peptídeo tem a capacidade de aumentar o número e o tamanho dos dendritos, os “bracinhos” dos melanócitos que transferem o pigmento já formado para as células ao seu redor. Assim, ao diminuir a produção desse peptídeo, limita-se o quanto de melanina é depositada nas células.

O ativo também age inibindo a fase de formação da melanina. Ou seja, inibe a formação do pigmento para que não seja sintetizado e também inibe o transporte da melanina já formada para as células.

Ativos que estimulam a renovação celular e a remoção de células manchadas

Por último, vamos apresentar alguns ativos clareadores que estimulam a renovação celular, facilitando a remoção das células já manchadas da pele. Todavia, para que as novas células formadas não fiquem manchadas novamente, esses ingredientes precisam ser combinados com outros que inibem a formação e o transporte da melanina.

Ácido glicólico e BioAHAs

São dois peelings químicos que aceleram o turnover ou a renovação celular. Esses ativos auxiliam no desprendimento das células pigmentadas e com marcas escuras, estimulando assim o clareamento progressivo das manchas. 

Ácido mandélico

O ácido mandélico auxilia na retirada da melanina já depositada na pele. Age desprendendo as células do estrato córneo e promovendo uma eficaz remoção das hipercromias, além de renovar a pele de forma mais acelerada. 

Pelo fato de sua molécula ser a maior dos AHAs, o ácido mandélico penetra na pele de forma lenta, sem causar irritação. Após sua permeação intracelular, o ativo regula a produção de melanina. Além disso, uniformiza a pele, deixando-a mais clara, iluminada e lisa. 

Cristais de vitamina C pura

A vitamina C em pó pura e estabilizada usada como esfoliante físico garante a remoção das células mortas e, ao mesmo tempo, minimiza a melanina oxidada, alterando a pigmentação escura para um tom mais claro. Além disso, promove a síntese de colágeno, reduzindo os danos na derme, o que leva à melhora da pele e evita o envelhecimento precoce. 

Salix Peel 

Promove a renovação celular e tem ação anti-inflamatória em queratinócitos normais, bloqueando o sinalizador celular NF-kB que ativa o processo inflamatório. O NF-kB é induzido quando os raios UVB penetram na pele. Em seguida, os queratinócitos reconhecem esses raios como ameaça e estimulam os melanócitos a produzirem melanina no local para a sua proteção. Dessa forma, o ativo inibe a hiperpigmentação derivada de processos agressivos para a pele e da exposição à radiação solar. 

Renew Zyme

É um esfoliante enzimático com enzimas proteolíticas que hidrolisam a queratina, removendo as células mortas. O ativo tem atividade anti-inflamatória e antioxidante, e evita o acionamento do sistema de defesa da pele, não promovendo riscos de hiperpigmentação. Além disso, por favorecer o processo de renovação celular, promove uma imediata melhora na textura da pele.

Você gostou de saber a ação de todos esses ingredientes e entender um pouquinho mais por que eles estão presentes em dermocosméticos clareadores? Se tiver alguma dúvida, deixe o seu comentário aqui!

5 dicas de como preparar o corpo durante o inverno para curtir o verão

Você sabia que o inverno é a estação mais indicada para realizar tratamentos estéticos? O clima ameno, a pele sem brozeado e a menor intensidade solar são condições ideais para os cuidados com a pele. Chegou a hora de deixar a sua mais lisa, hidratada e iluminada!

A razão para o inverno ser visto como uma ótima época para tratar a pele está no fator de incidência solar, que é menor nessa época do ano. Por isso, os tratamentos acabam sendo mais eficazes e menos prejudiciais. Vale lembrar que o uso de protetores solares continua sendo necessário, mesmo sem sol e no frio, hein?

Tratamentos como laser, peeling e aplicação de ácidos, que visam o rejuvenescimento da pele, estão na lista dos mais recomendados. Os que dão mais resultados são aqueles que combatem rugas, manchas no rosto, gordura localizada e flacidez. E para isso, a Extratos da Terra desenvolve cremes e ácidos maravilhosos, práticos e potentes que vão ajudá-la.

Quer saber quais os melhores procedimentos para investir e os produtos que não podem faltar no seu inverno? Nós temos 6 dicas infalíveis! Leia com atenção e prepare-se para curtir o verão sem preocupações.

Dica 1 – Para tratar celulite e estrias

Tratar a celulite sem sair de casa ficou ainda mais fácil. As melhores opções, especializadas em tratar celulites, flacidez e estrias, estão relacionadas aos ativos vetorizados – desenvolvidos através de nanotecnologia. Essa técnica permite que os produtos penetrem melhor na pele, atingindo as camadas afetadas de dentro para fora. Os que contém substâncias termogênicas, óleos vegetais naturais, ômegas e ácidos fracionados são os mais indicados.

Você encontra no Lipofeme Nano Shower Anticelulite e no Lipofeme Body Lotion Antiestrias.

 

Dica 2 – Para o rejuvenescimento facial

Quando falamos em rejuvenescimento, temos que falar dos maravilhosos antioxidantes – presentes nas vitaminas C e D. São eles que proporcionam o efeito antienvelhecimento e promovem uma série de melhorias no aspecto e textura da pele. Além disso, aumentam a produção de colágeno e previnem a perda de água – ou seja, a hidratação da pele dura muito mais tempo, e você não perde horas e horas com tratamentos fora de casa.

Você encontra no Dermosoft Day Reverse Creme Anti-Idade Facial e no Dermosoft Revitalize Dermo Vit C.

Dica 3 – Para evitar o ressecamento

Durante o inverno, os banhos são mais quentes e as roupas inibem a transpiração, e por isso a nossa pele tende a ficar mais ressecada. Para evitar a escamação e cuidar com carinho do corpo todo, é preciso recompor a oleosidade – por isso, prefira produtos naturais e menos abrasivos. Composições com ativos 100% vegetais, como óleos e manteigas, são opções de melhor absorção e mais ricas em hidratação.

Você encontra no Pro Vegetal Creme de Massagem Corporal Advanced Skin Technology e no Pro Vegetal Creme de Massagem Corporal Ômega 7.

Dica 4 – Para melhorar a circulação

Não fugir dos exercícios físicos e das massagens drenantes já é um ótimo passo para não deixar a circulação afetar o seu corpo no inverno. Estimular o metabolismo e proteger os vasos sanguíneos com tratamentos corporais são os passos seguintes. Procure por produtos com substâncias como Hiperemim (nicotinato de metila) e o Silanol (ligado à xantina), que aumentam a circulação na região tratada.

Você encontra no Vitta Hiperemim Creme de Massagem Lipotérmico.
Gostou? Invista na “operação inverno” e restaure a beleza da pele agora, para curtir o verão ainda mais linda! <3

Cuidados com a pele: 5 mitos que você deve saber

Os cuidados com a pele sempre geram muitas dúvidas. Em meio à procura pela melhor forma de nos cuidarmos, muitas vezes nos debatemos com vários mitos que ficaram difundidos como verdade. 

Hoje vamos esclarecer 5 desses mitos que foram difundidos ao longo dos anos 😉

1 – Pele oleosa não precisa de hidratação

O primeiro mito é sobre os cuidados com a pele oleosa, pois muito se fala que essa pele não deve ser hidratada.

Vale lembrar que a hidratação é importante para qualquer tipo de pele.

Hidratação é diferente de oleosidade. Ao contrário do que muitos pensam, uma pele hidratada consegue controlar a oleosidade por mais tempo. Já uma pele desidratada tem a tendência de ficar ainda mais oleosa.

Você deve estar pensando: como assim?

Vamos entender um pouquinho sobre a função da pele para que tudo fique mais claro.

Vamos entender um pouquinho sobre a função da pele para que tudo fique mais claro.

Uma das funções mais importantes da pele é a proteção contra agentes do meio externo. Ela é uma barreira muito inteligente que impede que a água que está no nosso corpo seja evaporada. Por outro lado, impede que água e outros agentes aos quais estamos expostos no dia a dia penetrem no nosso corpo.

Essa barreira é formada basicamente por um manto hidrolipídico, ou seja, composto por substâncias oleosas e aquosas. 

Dessa forma, quando a pele está desidratada, essa barreira de proteção fica mais fragilizada e prejudicada, aumentando a evaporação da água das células e também deixando a pele suscetível a outros problemas estéticos. Nosso corpo então começa a trabalhar para voltar ao seu equilíbrio, e substâncias oleosas são produzidas, o que aumenta a sensação de oleosidade na pele.

Com a urgência de se livrar dessa sensação de sujidade, o que normalmente as pessoas fazem é lavar muitas vezes o rosto. Além de usar em excesso produtos que retiram a oleosidade, como produtos adstringentes, passando a evitar produtos hidratantes. Ou seja, o equilíbrio das substâncias aquosas e oleosas não é reconstruído, o que vira um ciclo vicioso. 

Portanto, pele oleosa deve ser hidratada sim! Mas é muito importante usar produtos específicos para esse tipo de pele, estimulando assim o equilíbrio e o controle da oleosidade.

2 – Acne acontece somente com adolescentes

Mito! a acne acontece em peles maduras e adultas sim, principalmente em mulheres. 

Um estudo realizado pela Sociedade Brasileira de Dermatologia, em parceria com o laboratório Theraskin, mostrou que a acne é o maior problema que leva as mulheres ao consultório médico, sendo que a média de idade dos participantes da pesquisa era de 42,5 anos, fase na qual a preocupação deveria ser outra, como a prevenção do envelhecimento precoce.

Por que isso acontece?

A resposta é simples: além da oleosidade da pele, uma das principais causas da acne é o fator hormonal. Se a gente pensar que as mulheres ao longo da vida passam por constantes mudanças nos níveis hormonais, fica fácil compreender por que a acne não abandona as mulheres após a adolescência.

Isso acontece principalmente no mundo atual e agitado em que vivemos. O que eleva o nível de estresse, que por sua vez altera os níveis hormonais. 

Diferença entre acne adolescente e adulta

O que difere a acne adolescente da adulta é o grau de gravidade. A acne adulta normalmente é considerada leve, com a presença de cravos brancos e pretos, podendo chegar a casos de lesões inflamatórias. Já na adolescência pode chegar a casos mais graves, com processo inflamatório mais agressivo e que pode gerar cicatrizes e marcas escuras com maior intensidade do que a acne adulta. 

Outra diferença é o local onde as lesões de acne comumente aparecem.

Na pele madura, as principais regiões com acne são em volta da boca, no queixo e no contorno do rosto e pescoço.

Na adolescência, não há uma região específica, podendo a acne estar distribuída por toda a face e também nas costas, como é o caso dos homens. 

Os cuidados com a pele acneica, independentemente da idade, inclui usar produtos antiacne que controlem as lesões e previnam o aparecimento de novas. Para isso, recomenda-se usar produtos que controlem a oleosidade, equilibrem a microbiota, controle a inflamação, limpem e detoxifiquem a pele das sujidades e da poluição e que tenham ação antioxidante, mantendo a pele fortalecida e saudável. 

Temos outro conteúdo que aborda o tratamento da acne no link.

3 – Cuidados com a pele com manchas deve ser somente no inverno

Outro mito muito comum sobre os cuidados com a pele é que o tratamento de manchas deve ser realizado somente na estação mais fria do ano. Essa crença vem do passado, quando não se tinha tecnologia dermocosmética tão avançada como atualmente. 

Antigamente, os tratamentos para manchas de peles eram na sua maioria à base de ácidos, que não podem ser utilizados quando se tem a exposição à radiação do sol, como acontece no verão.

Com o avanço da ciência e das pesquisas, surgiram novos recursos de tratamento e ativos que não são fotossensíveis. Ou seja, a exposição do sol não prejudica o tratamento. 

Aliás, os novos estudos têm cada vez mais demonstrado que quem tem problemas com manchas e principalmente o melasma, deve usar produtos controladores da formação do pigmento, que dá cor à pele, de forma constante, o ano inteiro e todos os dias.

O sol é o principal causador das manchas. Por isso a proteção solar é necessária, assim como os produtos para o clareamento, que devem ser aplicados diariamente. Só assim se tem o controle efetivo das manchas que tanto incomodam.

Portanto, trate suas manchas o ano inteiro, mas procure por produtos seguros, registrados, testados e com resultados comprovados.

4 – Quanto maior a porcentagem de vitamina C, melhor. 

Organic bio cosmetics with vitamin C. The concept of Minimalism Flat lay.

Mito! A vitamina C é dos produtos mais conhecidos atualmente para os cuidados com a pele de forma geral. Pois é um ativo multifuncional que traz benefícios incríveis. 

Também é um produto do qual se encontram muitas opções na hora da compra. Nesse momento, surgem muitas publicações com as porcentagens de vitamina C que compõem o produto. O que se imagina em seguida em uma análise rápida é que quanto maior a porcentagem, melhor e mais eficiente é o produto.

Certo? 

Errado!! Vou apontar aqui 3 pontos para você não levar em consideração apenas a porcentagens de vitamina C no produto:

Considere a sinergia dos ativos

O primeiro ponto a se avaliar aqui é que a porcentagem nem sempre garante o melhor resultado. Muitas vezes, pode-se ter uma porcentagem alta de um determinado ativo, mas ele sozinho não consegue resolver todos os fatores envolvidos em uma determinada necessidade da pele.

A pele não é igual para todo mundo, temos vários fatores do nosso dia a dia que interferem na qualidade e na saúde dela. Dessa forma, por mais que se tenha um ativo multifuncional, nem sempre ele vai conseguir agir em todas as frentes que precisamos para obter um rejuvenescimento ou um clareamento com resultados satisfatórios, por exemplo.

Só para dimensionar o tamanho da complexidade da questão, as manchas têm mais de 23 fatores conhecidos na sua formação. Assim como há inúmeras pequenas causas que levam ao envelhecimento da pele. 

O que eu quero dizer com tudo isso? Que não adianta ter uma porcentagem alta de um determinado ativo se a formulação do produto não conseguir resolver o máximo de fatores envolvidos no problema. 

Assim, é mais importante avaliar a formulação em seu conjunto. A sinergia dos ativos da formulação e, principalmente, se o produto tem teste de eficácia que comprove os resultados prometidos. 

Forma de apresentação da vitamina C

O segundo ponto a ser considerado, especificamente sobre a vitamina C, é a sua alta taxa de oxidação. Ou seja, se a vitamina C estiver em sua forma pura, ela tem altas chances de ser oxidada ou de ter a sua função diminuída antes mesmo de entrar em contato com a pele, na própria embalagem do produto.

Este é outro motivo para não se considerar somente a porcentagem do ativo, e sim se a vitamina C tem tecnologia como a nanoencapsulação para preservar a sua funcionalidade.

Embalagem

E um terceiro ponto muito importante a se avaliar em produtos que contenham vitamina C é a embalagem. Como ela é muito fácil de ser oxidada, caso o produto entre em contato com o oxigênio, a vitamina C pode perder parte de seus benefícios. 

E há uma forma bem fácil de visualizar esse acontecimento. Se ao usar a sua vitamina C você perceber ela mais amarelada do que estava quando foi aberta pela primeira vez, é bem possível que parte dela já tenha sido perdida. Por isso, embalagens do tipo airless são muito importantes em produtos com vitamina C. Pois impedem esse contato do produto com o ar atmosférico, garantindo qualidade até a última gota. 

Resumidamente, o meu conselho é: não considere a porcentagem de vitamina C no produto como o fator de maior importância. Procure ver a sinergia de ativos que compõem a fórmula, se a vitamina C é nanoencapsulada e se a embalagem tem contato com o ar. Ah, e claro, observe se o produto com vitamina C possui teste de eficácia que comprove os resultados que ele promete 😉

5- Cremes anti-idade não funcionam

Último mito a ser desmascarado hoje é que os cremes anti-idade não funcionam.

Muitas pessoas acreditam que só cirurgias, botox, preenchimentos, entre outros métodos mais invasivos, são a solução para peles envelhecidas. Isso não é verdade. 

Hoje possuímos a tecnologia a nosso favor, temos ativos nanoencapsulados, vetorizados e biocompatíveis com a pele. Com funções de reverter os sinais, prevenir e preservar as nossas células para que tenham uma vida mais longa. Muitos ativos conseguem estimular fatores de crescimento, preservar a hidratação, mantendo o volume facial e estimular a produção de novas fibras de colágeno e elastina, que dão sustentação à pele. São inúmeros os fatores a nosso favor.

Claro que os dermocosméticos têm os seus limites de atuação. Eles conseguem sim melhorar a qualidade da pele e deixar a aparência mais jovem, mas prevenir sempre é o melhor remédio. 

Portanto, quanto mais cedo se tiver a preocupação em manter a pele saudável usando os produtos anti-idade adequados ao seu tipo de pele, tendo um estilo de vida e alimentação saudáveis. Bem mais tarde serão necessárias intervenções cirúrgicas ou minimamente invasivas para reverter os sinais do tempo. 

Cuide-se, mantenha uma rotina diária de cuidados com a pele e dessa forma as rugas vão demorar muito mais para te incomodar. 

Cuidados com a pele: uma rotina que traz a beleza que faz bem

Criar o hábito de se cuidar é uma forma de fazer o bem para si mesma. É um tempo que todos deveriam reservar para si. 

São alguns minutos diários que fazem muita diferença na autoestima e na qualidade da pele. Isso não vai se refletir somente hoje, e sim por muitos anos. 

Estamos expostos diariamente a muitos fatores que alteram o equilíbrio da pele que nos protege, como a poluição, a radiação solar, a luz de dispositivos móveis, entre outros.

Por isso, faça a higienização adequada e use os produtos indicados para o seu tipo de pele. Use protetor solar, beba bastante água e tenha uma alimentação saudável. Esses são os passos básicos para se manter saudável e de bem consigo mesmo e com a sua idade. 

Cuidar de si mesma é o que compõe a beleza que nos faz bem!

Confira também o post: Três passos diários para ter a pele bonita todos os dias

Lucimara da Cunha 
Cosmetóloga e engenheira química
Analista de marketing e produtos da Extratos da Terra

Manchas na pele: Saiba como tratar

Manchas ou marcas escuras da pele, como são conhecidas as hipercromias, são um dos problemas que mais afetam a aparência feminina. 

Elas decorrem de diversas causas e estão relacionadas principalmente a fatores hormonais (uso de anticoncepcional, gravidez, entre outros) e exposição ao sol.

Primeiramente, vamos ver quais são os tipos de manchas:

  • marcas solares, devido ao excesso de exposição ao sol sem proteção
  • marcas senis, decorrentes da idade; 
  • as marcas pós-inflamatórias, que ocorrem depois de algum processo inflamatório na pele, como acne; e
  • melasma, que está relacionado na maioria das vezes a fatores hormonais e exposição ao sol.

Então, como agora você já sabe os tipos de manchas, vamos falar da origem dessas marcas escuras. Elas aparecem devido a produção descontrolada de um pigmento produzido pela nossa pele que se chama melanina.

A principal função da melanina é proteger o DNA das células contra os radicais livres e o estresse causados principalmente pela exposição à radiação solar e por processos inflamatórios. Sendo assim, quanto mais exposição ao sol ou quanto mais agredida a pele for, mais melanina produzirá para se proteger e maiores serão as chances do aparecimento de marcas indesejadas.

Por isso, é sempre bom prevenir a formação de manchas, tomando alguns cuidados para proteção contra os efeito danosos do sol. Por outro lado, se as marcas já apareceram na pele, a baixo temos umas dicas de como tratar em casa.

Como tratar as manchas na pele?

As marcas escuras aparecem normalmente em áreas expostas ao sol. Para clarear a pele de regiões como rosto, pescoço e mãos, principalmente o melasma, é necessário proteger a pele diariamente com protetor solar e usar produtos que fazem o controle da produção de melanina. 

Nessa tentativa de acabar com as manchas, muitas pessoas procuram por receitas caseiras, e aí é que mora o perigo, já que muitas dessas dicas não só não funcionam como também podem gerar marcas ainda maiores na pele. 

Então, se você quiser clarear a pele de forma efetiva e segura, nós da Extratos da Terra recomendamos a linha Dermolight, que é uma linha de clareamento de pele desenvolvida para tratar as diferentes marcas escuras existentes – melasma, pós-inflamatórias e solares.

A linha também auxilia no clareamento de marcas da idade tanto de regiões como rosto, pescoço, colo, mãos, entre outras. Possui produtos para uso de profissionais de estética, mas também contempla produtos para tratar as manchas em casa.

Tanto  os produtos profissionais como os para uso em casa agem da mesma forma em 15 pontos-chaves da formação das marcas escuras e também reduzem as marcas já presentes na pele.  

Como diminuir as manchas em casa?

Você pode tratar as manchas em casa, mas é muito importante monitorá-las e, se observar frequentes alterações em textura ou tamanho. Também é aconselhável procurar um médico para melhor diagnosticar o tipo de mancha, ok?

O tratamento home care é simples e rápido, pois concentra todos os benefícios necessários para o tratamento em apenas três produtos diários e de uso constante. 

Mas, a linha também conta dois potencializadores no processo de clareamento:

  • Máscara iluminadora, para uso de uma a duas vezes na semana
  • Clareador pontual, para aquelas manchas que são mais resistentes como o melasma, devendo usa-lo somente nos locais com esse tipo de mancha.

Dessa forma, esses produtos entregam diariamente doses constantes de ativos que promovem o clareamento da pele e evitam a formação de novas manchas.

Vamos aprender como usar os produtos?

Primeiramente, não se preocupe, a forma de usar é simples, sem complicações, e vou explicar o porquê de usar cada um dos produtos. Então, que tal começar hoje mesmo a tratar as marcas que te incomodam?

Para começar, a rotina de cuidados diários é composta por três passos e 2 que podem ser opcional e potencializadores. São eles:

  1. Limpar a pele com a espuma de limpeza
  2. Aplicar o sérum de controle das manchas
  3. Aplicar o protetor solar clareador

Mas, para quem tem manchas mais resistentes, poderá compor seu tratamento com mais dois produtos.

  1. sérum pontual, após limpar a pele com a espuma
  2. Máscara iluminadora de uma a duas vezes na semana após a limpeza com a espuma e antes do sérum pontual.

Confira como é o passo a passo completo.

Passo 1: limpeza e esfoliação

Primeiramente, vamos limpar a pele como a GlycoAcid Detox e secar bem.

Por que devo usar a GlycoAcid Detox?

Essa espuma prepara a pele para que os outros produtos consigam ter o máximo de eficiência.

Além disso, limpa e diminui a espessura da camada mais superficial da pele, ajudando a eliminar as células mortas que já estão pigmentadas.

Passo extra: potencializando o tratamento

A Máscara Iluminadora não precisa ser usada todos os dias, apenas de 1 a 2 vezes por semana. Passe de forma uniforme por todo o rosto ou, se preferir, use só nas manchas mais evidentes após limpar o rosto. Deixe agir por 15 minutos e retire. Seque bem a pele na sequência.

Por que devo usar a Máscara Iluminadora?

A máscara aumenta a hidratação da pele e você vai perceber o clareamento mais rápidos.

Ela também possui ingredientes que ajudam a controlar a formação de novas manchas.

Passo opcional: clareamento pontual em marcas mais resistentes

Se tiver marcas escuras resistentes ou mais destacadas, aplique o clareador pontual Nanospot somente sobre essas marcas após limpar a pele com a espuma. Deixe absorver e não retire.

Por que devo usar Nanospot?

O Nanospot é para aqueles casos em que as manchas são localizadas e mais intensas. Essas manchas são mais resistentes e demoram mais para serem clareadas.

À medida que se usam produtos para clareamento no rosto inteiro, esse tipo de mancha pode ficar ainda mais destacada, pois as outras regiões da pele ficam rapidamente mais claras.

Por isso, o clareador pontual, que tem ativos mais concentrados, vai trabalhar de forma mais intensa nessas manchas, o que torna a pele mais uniforme.

Passo 2: tratamento diário para redução das manchas.

Aplique o Sérum M-Solution em todo o rosto e não retire. Esses passos devem ser realizados duas vezes ao dia, pela manhã e à noite.

Por que devo usar o Sérum M-Solution?

Esse sérum contém vários ingredientes que impedem a formação de novas manchas e promovem o clareamento das marcas já existentes.

Ele age desde a superfície da pele até a camada mais profunda, onde a melanina é formada. Desta forma, o resultado percebido é uma pele mais uniforme, mais iluminada e mais clara.

Passo 3: proteção solar, prevenção e controle das manchas

Pela manhã, aplique o Tonalizante Clareador em todo o rosto, colo e pescoço, e reaplique sempre que necessário.

Por que devo usar o Tonalizante Clareador?

Primeiro porque o sol é o maior causador das manchas, e de nada adianta passar produtos clareadores se não fizer a proteção contra os raios UV.

Segundo porque o produto também tem ingredientes que controlam a formação de marcas escuras.

E terceiro porque ele é tonalizante e assim ajuda a disfarçar as marcas mais escuras, deixando a pele com tom bem mais uniforme sem a necessidade de usar base.

Uma boa dica é aplicar o Pó Multiproteção FPS 50 sobre o Tonalizante Clareador. Assim a proteção é completa contra os raios UV, contra a luz azul e a poluição digital, que também podem causar as manchas.

O protetor em pó é de fácil aplicação e muito prático para reaplicar durante o dia. Ele pode também pode ser aplicado sobre a maquiagem e faz o controle da oleosidade, deixando a pele matificada o dia todo.

Gostou do conteúdo e quer se livrar das manchas que tanto te incomodam?

Então confira os benefícios completos dos produtos em nosso site. E depois nos conte a sua experiência com a linha Dermolight.

Ah, tem mais um detalhe muito importante: esses produtos podem ser usados o ano inteiro, inclusive no verão. Então, vamos deixar a pele radiante?

Lucimara da Cunha
Cosmetóloga e Engenheira Química
Analista de Marketing e produtos